Manual da WarmBoot BBS

Continuando a sessão nostalgia, abaixo segue o link do manual da WarmBoot BBS. Para os que viveram a época das BBSs, muitos dos termos utilizados trarão boas recordações. Para os mais novos, pode parecer um pouco estranho, afinal, hoje em dia, quem é que precisa configurar os parâmetros de paridade, etc. do modem (discado)? 😀

Zmodem, Fidonet, RBT, telas ANSI, etc… isso te lembra alguma coisa? 🙂

Enjoy!

Manual da WarmBoot BBS

Conferência Internacional Praga 2014 – Dia 2

Hoje foi o segundo (e última dia) da conferência internacional. Diversas palestras bastante interessantes. Minha palestra sobre Tipos Numéricos no Firebird (que apresentei no FDD do ano passado) teve a sala cheia, e diversas pessoas vieram me cumprimentar depois pela palestra! Fiquei muito feliz com o feedback que obtive com as duas palestras que apresentei.

Tivemos duas palestras que envolveram benchmarks… a de Paul Reeves usou uma versão em Java do TPC-C, e mostrou resultados no mínimo curiosos e que, estranhamente, não coincidem com os resultados do teste TPC-C portado para C++ por Vlad Khorsun.  Em segunda, tivemos uma palestra de Pavel Zotov, que hoje é o “bug hunter” oficial do Projeto. Pavel criou um sistema de testes e benchmarks totalmente baseado no isql (sem dependência de utilitários externos), que simula um sistema bastante completo de compras/vendas. Esse sistema foi preparado para estressar ao máximo o Firebird, e já conseguiu “descobrir” 30 bugs no Firebird 3 (alguns já foram corrigidos) que dificilmente seriam descobertos com um uso moderado do banco de dados.

Ivan Prenosil falou sobre o uso das tabelas de sistema do Firebird para extrair diversas informações bastante úteis. Ivan realmente domina o assunto, e fechou a palestra com um desafio para os presentes que despertou dúvidas até mesmo dos core developers! Dmitry Yemanov falou sobre as novas informações disponibilizadas nas tabelas de monitoramento do Firebird 3 e que ajudarão ainda mais a descobrir gargalos de performance.

Jim Starkey e Ann Harrison falaram sobre Threads em bancos de dados, comentando a parte “histórica” envolvida, problemas relacionados, possíveis soluções, etc.

No fim tivemos uma mesa redonda com todos reunidos.

Segue mais fotos, agora do segundo dia…

Conferência Internacional (Praga 2014 – dia 1)

Hoje foi o primeiro dia da Conferência Internacional de Firebird em Praga (2014). Essa é a terceira vez que venho pra cá para palestrar, e possivelmente está sendo a edição com mais participantes das 6 últimas conferências internacionais! Mesmo assim, está longe de ter o público do FDD (cerca de 1/4 ou até menos).

Minha palestra foi sobre criação de logs para auditoria de dados. A sala estava cheia, e o feedback que tive foi bastante positivo 🙂 Essa palestra já foi apresentada na sétima edição do FDD, mas foi a primeira vez que apresentei ela aqui “fora”.

Assisti também a palestra do IBObjects. O produto é tão completo (e as vezes complexo), que mesmo sendo um usuário antigo do IBO, acabei aprendendo coisas novas 😉 Jim Starkey e Ann Harrison também palestraram hoje… Ann falou sobre páginas e registros orfãos, e Jim fez uma coletânea das suas invenções, inclusive as mais recentes. No momento, ele está criando um novo banco de dados, que possivelmente será lançado também no modelo open source (será?).

Dmitry Yemanov abriu a conferência com basicamente a mesma palestra que ele apresentou no FDD desse ano (apenas com algumas modificações). A palestra seguinte foi de Vlad Khorsun, que falou das novidades do Firebird 3 (que no meu caso não adicionou muita coisa, pois já estava ciente da maioria das coisas.

Tivemos também palestras sobre .NET e Java, que particularmente não me interessavam, então preferi ficar no “networking” com o pessoal fora das salas.

Amanhã terei outra palestra, dessa vez falando dos tipos numéricos do Firebird (que foi a minha palestra da 10 edição do FDD 😉 ).

A seguir algumas fotos… clique para ampliar…

 

A história da WarmBoot BBS

O texto abaixo foi extraído da primeira edição do WarmNews, uma publicação eletrônica criada por mim em 1994, e distribuída em diversos BBS pela RBT, ainda na época em que era SysOp da WarmBoot BBS. O texto foi escrito pelo Luiz Paulo, Co-SysOp da BBS, e acredito que vai despertar muitas saudades e lembranças de quem teve o privilégio de viver aquela época 😉

Algumas das pessoas mencionadas nesse texto eu não tenho mais contato, portanto, estou mascarando parte do nome delas, por não ter autorização de menciona-los.

Com a rápida proliferação da Internet, as BBS fecharam suas portas há muitos anos, pois não havia mais sentido da sua existência. No entanto, ficaram marcadas na memória de todos aqueles que viveram aquela era de “inovação tecnológica” 😉

Carlos H. Cantu

História de um BBS (publicado originalmente em 1994)

Acho que é de grande curiosidade da maioria dos usuários saber como foi a história do seu BBS. Nas linhas abaixo, descrevemos a história do WARMBOOT BBS, desde seu planejamento até o que é hoje.

Se você é SysOp e acha que a história da criação do seu BBS é interessante, entre em contato conosco para que possamos publica-la nos próximos WarmNews !

Texto escrito por Dart Vader (WarmBoot Group).

Tudo começou em Setembro de 1992, quando um certo SysOp de Campinas cortou o acesso de 2 membros do ainda não existente WARMBOOT Group em seu BBS, alegando que não podia “dar nível” a ninguém (NE: nível se refere ao limite de acesso que um usuário tinha, indo desde ter direito a ficar poucos minutos conectado por dia e não poder fazer download, até poder máximo). Só que este esqueceu que GRANDE PARTE do que ele tinha de Multimídia na época tinha sido levado por eles. Passado um tempo, tivemos a ideia de montar o nosso próprio BBS.

Foi aí que nos reunimos com o intuito de criar o WARMBOOT BBS. O grupo era composto pelos seguintes membros e colaboradores:

Ganhe desconto na inscrição para o FDD 2014!

Quer se inscrever no Firebird Developers Day com um desconto de R$ 10? Basta se logar na FireBase e responder com atenção nosso “Teste de conhecimento sobre Firebird“. Aqueles que acertarem 9 ou mais das 14 questões ganharão um código de cupom de desconto de R$ 10,00 que poderá ser usado nas inscrições até o dia 09/Julho!

No final do teste será exibida sua pontuação e o código do Cupom, caso tenha acertado 9 ou mais questões.

Cliente TIM é lixo!

Sou cliente (pré-pago) da TIM há muitos anos. Não porque o serviço é bom (se fosse, eu não precisaria ter colocado um repetidor GSM dentro de casa pra poder usar o telefone), mas principalmente porque outras pessoas da minha família (e amigos) também usam TIM, e com isso nos falamos pagando menos.

Sabemos que no Brasil não existe uma operadora de celular que seja realmente boa.  O sinal geralmente é horrível e o 3G costuma ser pior que modem 56K. Trocar seis por meia-duzia não resolve nada, mas hoje a TIM passou dos limites!

Comprei um Galaxy S4 i9505, que usa um chip MicroSIM, sendo que meu chip atual é padrão SIM, ou seja, não cabe. Uma troca que deveria ser simples,  foi na verdade o começo do meu inferno!

Olhando para a parte do chip (aquela dourada) no cartão SIM, pelo tamanho da mesma, presumi que não adiantaria fazer a “gambiarra” de cortar o cartão pra deixar do tamanho do MicroSIM (o que posteriormente se confirmou). Sendo assim, entrei no site da TIM para localizar uma loja onde eu pudesse fazer a troca do cartão (mantendo o mesmo número de telefone). Aí já foi o primeiro desgosto: a página de localização das lojas estava fora do ar. Busquei no Google, e todos os números e endereços retornados mostravam telefones que estavam fora de operação.

Resolvi ligar no atendimento da TIM e pedir informações sobre a localização das lojas da TIM na cidade. Me passaram 3 endereços (sem telefone, pois segundo eles, o sistema não mostrava essa informação – podem rir!!). Fui até o primeiro endereço, que descobri ser um quiosque multi-operadora dentro do Walmart, e a atendente me informou que MicroSIM ela só tinha da Vivo (TIM mandando cliente pra concorrência?!). Me indicou tentar na rodoviária (?!). Lá encontrei uma lojinha que vendia cartões de diversas operadoras. O “senhorzinho” me disse que ele tinha MicroSIM da TIM, mas que para manter o número, só indo na loja da TIM mesmo.

Enfim, fui para o Shopping Piracicaba (como odeio ir naquele shopping), onde, por sinal, está a única loja da TIM ainda ativa na cidade (afinal, a cidade é pequena, né?! “Só” meio milhão de habitantes). O vendedor tentou me empurrar um plano pós-pago, dizendo que ele não tinha chip MicroSIM “branco” pra colocar o meu número, mas que se eu fizesse um plano pós, poderia manter o número. Falei que pós-pago não me interessava, pois eu quase não uso celular (pra falar). Perguntei como iria resolver o problema, e ele disse que não tinha como resolver, e que eu p0deria ir em outra loja TIM, em alguma cidade da região!!!! Olha o absurdo! Ter que andar dezenas de km até outra cidade, pra fazer uma mera troca de chip (isso se não viessem com a mesma estória). Argumentei, reclamei, etc., tudo sem efeito. Saí da loja inconformado, pois já tinha perdido a tarde nisso.

Ainda no shopping, liguei no *144 e expliquei para a atendente o que aconteceu. Ela aparentemente ficou “espantada” com aquilo que ouviu, e no fim das contas, pediu pra que eu voltasse na loja e deixasse que ela falasse com o vendedor, pois era obrigação deles fazer a troca sem obrigar a trocar de plano. Fiz isso, mas o vendedor que me atendeu da primeira vez estava ocupado, portanto, passei pra um outro. Com “cara de bosta”, ele me devolveu o celular e disse que iria fazer a troca. Perguntei “como?”, se o outro individuo disse que não tinha cartões disponíveis. Depois de tentar dar algumas desculpas esfarrapadas, acabou abrindo o jogo, e disse que eles recebem celulares novos com chips “em branco”, e seguram esses chips pra colocar nesses aparelhos, afinal, ganham muito mais na venda de um aparelho do que trocando um chip de quem já é cliente (o que é uma visão totalmente imediatista, pois numa dessa, perdem vários clientes para a concorrência).

Enfim, a troca foi feita (R$ 10).

Saí de lá com vontade de voar no pescoço de “alguém”, e inconformado por ser tratado como “lixo”. Vou pesquisar outras operadoras, na tentativa de achar uma “menos pior”, já que “boa” mesmo não existe. Se encontrar, adeus TIM!

1 2