Motorcycle trip to Serra do Rio do Rastro 2016

Clique aqui para ler em português.

Any self-respecting biker ever heard of Serra do Serra do Rio do Rastro, in Santa Catarina, with 284 curves, some reaching up to 180 degrees. I was planning this trip from a long time, and finally the “conjunction of the stars” allowed me and three friends (Bramac, Hertz and Rubão) to sync our schedules and left to SRR in Sep, 22 2016!

Day 1

Dia 1

First day (off-road emotion)

The idea was to make the entire trip in 4 days, leaving Piracicaba (friends leaving from Paulínia and Campinas), meeting the guys in Tatuí, and stopping at Curitiba to overnight. The path was chosen to go by the Serpent’s Trail

Stop-Follow

Stop-Follow

End of the trail

End of the trail (Hertz, me, Bramac and Rubão)

We  were in four motorcycles, two Harleys, a BMW GS1200 and a Triumph Tiger 800. Needless to say, the Harleys were those that suffered most in this circuit. Honestly, I do not advise anyone to do the serpent’s trail while the works are not completed. In addition to more dangerous and stressful, the travel ends up taking much more time than anticipated. We left home at 7:30 and arrived in Curitiba at 6:00 pm!

Riders Pub

Riders Pub

We stayed at the Che Lagarto Hostel. We had dinner at the mall that was next to the hostel and went to a motorcycle-themed bar, to drink a craft beer (a walking circuit, since the locations are near to each other). We scheduled with a local friend to go to a rock’n’roll bar (with live music) when we return from SRR.

Day 2 (part 1)

Day 2 (part 1)

Second day (bucolic path)

SRR Pomerode

Pomerode

We had coffee at 7:00 am, and left to Urubici, where we would stay overnight. The initial planning was to arrive in time to do the Serra do Rio do Rastro also at the night. The chosen path was a hint from Elisabete Bach, described by her as a more “bucolic” circuit compared to just taking the BR 101 highway, and really worth it! Roads and beautiful mountains, with good asphalt and little traffic. We stopped in Jaraguá do Sul for gas and to eat something, and moved to Blumenau, stopping to visit the German Village (where the Oktoberfest happens) and to lunch. Following the way through the European Valley, with a stop in Pomerode, to take a look at the newly opened brewery factory “Schornstein”.

Day 2 (part 2)

Day 2 (part 2)

German Village

German Village

From Pomerode, we left for the final destination of the day, Urubici, passing by Camboriú, Florianópolis, São José, and going up trough the Santa Catarina’s range. The traffic to San Jose was really heavy! Unfortunately, night has fallen and we ended up passing by the mountains without sunlight, so we couldn’t enjoy the view… what a shame!

Pousada Pica-Pau

Pousada Pica-Pau

We arrived in Urubici around 9:00 pm, and meet Wesclei, the owner of Woodpecker’s Inn. A hint for those who want an excellent lodging option in Urubici, with an impeccable service! We eat pine nuts toasted in the wood stove, while waiting for just ordered pizzas. One of Harleys engines was dying when it slows down. After consulting our “technical support” Alex (Bros Bikers), which gave us some guidelines on what to do, we went to take a shower and to sleep.

Day 3 (part 1)

Day 3 (part 1)

Day 3 (the range and the cripple)

We had coffee the 8:00 am, fueled up with gas, and left to the Church’s Hill. This is an obligatory stop for any traveler around. The view is simply magnificent! The clouds were low, and we had the impression of being “in the sky”, looking at the clouds from above.

Church's Hill

Church’s Hill

Leaving the Churchs’s Hill, we ride to the Mirante da Serra do Rio do Rastro (passing by Urubici again). The path is very nice, mostly with good asphalt and beautiful views, with lots of green and full of pines. Entering the SC-390, the asphalt became much worse, but nowhere near the “badness” of the Serpent’s Trail.

Day 3 (part 2)

Day 3 (part 2)

Arriving at the belvedere, the amazing view above the clouds impressed and disappointed at the same time, since it hid the famous curves and avoided us from enjoying the hilly landscape as we drove down the mountain.

We had a visit from some Coatis, which are walking free and peacefully in the place, looking for easy food.

SRR's Gazebo

SRR’s belvedere

Going down the mountain, we crossed the clouds that we had spotted from the belvedere. The humidity was high enough to wet the helmets. In the end, looking back to the point from which we came, there was nothing but heavy clouds.

SRR Coati

Coati

Westopped for gas and left to Curitiba. Surprise! Waze’s estimated more than 6 hours to arrive. And it was already 4:00 pm! We left to Curitiba, by the BR 101, with sawmill and rain, arriving at the Slaviero Hotel around 11:00 pm, cold and wet (when it started to rain, there were no gas stations or overpasses nearby, where we could stop to wear the raincoats)! But nothing is so bad that it can’t get any worse. Rubão took a “keel over” when leaving the bike and upon arriving at the front desk, we were told that reservations (made by booking.com) had not been registered by an employee of the hotel. In the end, after some hassles, we could enter the rooms. Needless to say, nobody was in physical condition to make the so planned visit to a rock’n’roll bar.

Bramac found out that he had lost the key of his Givi’s top case, containing all his clothes! The spare key was left in his home. The insurance does not want to send a locksmith, because the problem was in the top case, not with the bike itself. He called a 24/7 locksmith, who wasn’t able to open the lock! In the end, he had to dry his clothes and keep using them. I’m glad we were on the penultimate day.

In total, we drove almost 700 km that day! WTF!

Day 4

Day 4

Day four (the return)

Wake up the 7:00 am, we had coffee, and left to home. Fortunately, the return’s path wasn’t by the Serpent’s Trail, but rather by the BR-116 (Regis Bittencourt). About 20 miles out of Curitiba, we stopped at the famous Graciosa’s Road. Unfortunately, the weather was bad, with lots of mill, but that did not stop us to get down the mountain, which has much of its path made of cobblestones. The road is beautiful and picturesque, with lots of green and the Atlantic forest bordering the track continuously. There are several viewpoints where you can stop to admire the nature and eat/drink something.

Graciosa's portal

Graciosa’s portal

We return to the Regis’ highway and continue the way back. Upon arriving near to Cachimbo’s range, the highway had many works and hundreds of trucks. Near the Mário Cova’s road ring, there was an accident that just didn’t stop us completely because the bikes are narrow enough to pass between cars!

I got home the 8:00 pm, with the feeling of challenge fulfilled and the impression that it was not the last time that I visit that region.

Considerations and tips:

  • Avoid (really!) to go by the Serpent’s trail while the works are not finished, unless you are ready to face an “off-road” environment.
  • Don’t be fooled by the time it takes to make the trip legs! The average speed for the trip was 73 km/h, that is, you’re going to take a lot longer than if you had used a good highway.
  • The weather in the Serra do Rio do Rastro is unpredictable. It is good in one day and bad the next. If you have a flexible schedule, try to stay on the outskirts of the Sierra for more than a day, so if the weather is bad, there is still a chance to get it clean the next day. Checking the live cameras may help.
  • It’s absurd to charge tolls for motorcycles! The structure of the existing toll plazas was not made for that, and didn’t suffer any adjustment to facilitate the life of the biker. On the contrary! We are obliged to use the same cars and trucks cabins, which often has the pavement full of oil.
  • Do not entire rely on Waze, because, of course, at some point it will be offline for the lack of cellular network. Take a GPS offline application, as Here Maps, or even Google Maps, remembering to download the maps before.
  • Inns may be better than hotels, see the experience with the Woodpecker.
  • Despite having bikes for many, many years, this was the first truly long trip I did on two wheels. Even with all the obstacles, bad back, arm, cold, rain, etc., the feeling of freedom provided by the two wheels is unsurpassed.
MacGyver’s spirit

It’s in the difficult times that you became really creative, LOL. We took a heavy rain arriving in Curitiba, which wet the clothes and obviously the sneakers. So, what to do?

Bramac tried to use the microwave method, but it didn’t work (I told him it wasn’t going to happen, LOL). After that, he was more creative and used the lamps heat:

I filled the shoes with toilet paper, which pulled most of moisture during the night. Then I wrapped the hair dryer’s power cable around its power button, so it stay pressed, and left it blowing air for about 10 minutes, and it worked perfectly!

Drying the sneaker

Drying the sneaker

Visit www.motoencontros.com to know several points of interest in several regions of Brazil!

Photo Gallery

Saindo de Tatuí

Live long and prosper! Up the Irons!

SP para Serra do Rio do Rastro 2016

Click here to read it in English.

Qualquer motociclista que se preze já ouviu falar da Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina, com 284 curvas, algumas chegando a 180º. Há tempos estava planejando essa viagem, e finalmente a “conjunção dos astros” permitiu que eu e mais três amigos (Bramac, Hertz e Rubão) sincronizássemos as agendas e partíssemos para lá, no dia 22/Setembro/2016!

Dia 1

Dia 1

Primeiro dia (emoção off-road)

A ideia era fazer a viagem completa em 4 dias, saindo de Piracicaba (eles de Paulínia e Campinas, nos encontrando em Tatuí), sendo a primeira parada para pernoite em Curitiba. O caminho escolhido foi pelo Rastro da Serpente, que liga Capão Bonito à Apiaí. Essa foi a primeira surpresa da viagem. Asfalto e rodovias excelentes até Capão Bonito, mas bastou entrar no Rastro da Serpente para o trajeto passar de uma viagem “estradeira” para um circuito off-road! A estrada está cheia de obras, com diversos pontos onde não se sabe mais o que é asfalto e o que é terra. Pra piorar, diversos pontos estão com meia-pista, o famoso esquema “pare-siga”, obrigando você a esperar sua vez, perdendo um precioso tempo de viagem.

Pare-Siga

Pare-Siga

Final do Rastro

Final do Rastro (Hertz, eu, Bramac e Rubão)

Estávamos em quatro motos, sendo duas Harleys, uma BMW GS1200 e uma Triumph Tiger 800. Não preciso dizer que as Harleys foram as que mais sofreram nesse trajeto. Honestamente, eu não aconselho fazer o Rastro da Serpente enquanto as obras não forem finalizadas! Além de mais perigoso e estressante, o trajeto acaba levando muito mais tempo do que o previsto! Saímos as 7h30 e chegamos em Curitiba as 18h!

Riders Pub

Riders Pub

Nos hospedamos no Che Lagarto Hostel. Jantamos no shopping que ficava ao lado do CLH e depois passamos em um bar temático de motocicletas, para tomar uma cerveja artesanal (circuito feito a pé, pois os locais são próximos). Programamos com um amigo local de, na volta, ir em algum bar de rock com som ao vivo.

Dia 2 (parte 1)

Dia 2 (parte 1)

Segundo dia (trajeto bucólico)

SRR Pomerode

Pomerode

Tomamos café as 7am, e partimos para Urubici, onde iríamos pernoitar. O planejamento inicial seria chegar a tempo de fazer a Serra do Rio do Rastro também a noite. O caminho escolhido foi dica da Elisabete Bach, descrito por ela mesmo como um roteiro mais “bucólico” do que simplesmente pegar a BR 101, e realmente não deixou a desejar! Passamos por estradas e serras muito bonitas, com bom asfalto e pouco movimento! Paramos em Jaraguá do Sul para abastecer e comer alguma coisa, seguindo para Blumenau, parando para conhecer a Vila Germânica (onde é realizado o Oktoberfest) e aproveitando para almoçar. Seguindo o caminho, passamos pelo Vale Europeu, com parada em Pomerode, para dar uma olhada na fábrica recém inaugurada da cervejaria Schornstein.

Dia 2 (parte 2)

Dia 2 (parte 2)

Vila Germânica

Vila Germânica

De Pomerode, partimos para o destino final do dia, Urubici, passando por Camboriú, Florianópolis, São José, e subindo a Serra Catarinense. O trânsito estava bem pesado até São José! Infelizmente, a noite caiu e acabamos subindo a serra já sem luz do sol, portanto, não pudemos apreciar a paisagem… uma pena!

Pousada Pica-Pau

Pousada Pica-Pau

Chegamos em Urubici as 21h, e fomos recepcionados pelo Wesclei, dono da Pousada Pica-Pau. Fica a dica para quem quiser uma excelente opção de hospedagem em Urubici, com um atendimento impecável! Comemos pinhão torrado na hora no fogão a lenha, enquanto aguardávamos as pizzas recém-encomendadas. Uma das Harleys estava morrendo ao desacelerar. Depois de consultar nosso “suporte técnico” Alex (Bros Bikers), que nos deu algumas orientações sobre o que fazer, fomos dormir.

Dia 3 (parte 1)

Dia 3 (parte 1)

Terceiro dia (a serra e o coxo)

Tomamos café as 8am, abastecemos, e partimos para o Morro da Igreja. Essa é uma parada obrigatória para qualquer viajante que está na região! A vista é simplesmente magnífica! As nuvens estavam baixas, e tínhamos a impressão de estar “no céu”, olhando as nuvens por cima.

Morro da Igreja

Morro da Igreja

Saindo do Morro da Igreja, partimos para o Mirante da Serra do Rio do Rastro (passando novamente por Urubici). O trajeto é muito bonito, a maior parte com asfalto bom e vistas lindas, com muito verde e cheias de araucárias. Entrando na SC-390, o asfalto piorou absurdamente, mas nem chegou perto da “ruindade” do Rastro da Serpente.

Dia 3 (parte 2)

Dia 3 (parte 2)

Chegando no Mirante, a vista deslumbrante acima das nuvens impressionou ao mesmo tempo que decepcionou, pois escondeu as famosas curvas e nos impediu de apreciar a paisagem montanhosa enquanto descíamos a serra.

No Mirante, tivemos a visita de alguns Quatis, que ficam passeando livres e calmamente pelo local, à procura de comida fácil.

Mirante da SRR

Mirante da SRR

Descemos a serra cruzando as nuvens que havíamos avistado do Mirante. A umidade estava alta, chegando a condensar e molhar o capacete. No final, olhando para trás, para o sentido do qual viemos, não se via nada além de nuvens carregadas.

SRR Quati

Quati

Paramos para abastecer e tocar para Curitiba. Surpresa! O Waze estimava mais de 6 horas de viagem! E já era praticamente 16h da tarde! Tocamos para Curitiba, pela BR 101, pegando serração e chuva. Chegamos no Slaviero Hotel por volta das 23h, com frio e ensopados (quando começou a chover, não havia postos nem viadutos próximos onde poderíamos nos abrigar para vestir as capas de chuva)! Mas nada é tão ruim que não pode piorar. Um dos amigos tomou um “capote” ao descer da moto. Ao chegar na recepção do hotel, fomos informados que as reservas (feitas pela booking.com) não tinham sido efetivadas por culpa de uma funcionária do hotel. No fim, após alguns aborrecimentos, conseguimos entrar nos quartos (que sofreram um upgrade). Nem preciso dizer que a programação prevista de ir à algum bar foi por água abaixo.

Bramac descobriu que tinha perdido da chave do baú Givi que estava com todas as mudas de roupa! A chave reserva tinha ficado em Paulínia. O seguro não quis mandar o chaveiro, pois o problema era no baú, e não na moto (uh?! Sacanagem hein?!). Ele então acabou chamando um chaveiro 24hs, que não conseguiu abrir o baú! Ou seja, teve que se virar secando e usando a roupa que já estava usando. Ainda bem que já estávamos no penúltimo dia.

No total, rodamos nesse dia quase 700km! PQP!

Dia 4

Dia 4

Quarto dia (o retorno)

Acordamos as 7am, tomamos café, e partimos de volta pra casa. Felizmente, o trajeto de retorno não seria pelo Rastro da Serpente, mas sim pela BR-116 (Regis Bittencourt). Cerca de 30km saindo de Curitiba, paramos na famosa Estrada da Graciosa. Infelizmente, tempo fechado e muita serração, mas que não impediu de descermos a serra, que tem grande parte do seu trajeto feito de paralelepípedos. A estrada é linda e pitoresca, com muito verde e a mata atlântica margeando a pista continuamente, e diversos mirantes onde você pode parar para contemplar a natureza e comer/beber alguma coisa.

Entrada Serra da Graciosa

Entrada Serra da Graciosa

Voltamos para a Regis e continuamos o caminho de volta. Ao chegar próximo da Serra do Cachimbo, a rodovia tinha muitas obras, infinitos caminhões e, já próximo do Rodoanel Mário Covas, havia um acidente que só não nos parou completamente porque as motos passam pelos corredores!

O cansaço quer tomar conta, mas a saudade da família faz você continuar. Cheguei em casa as 20h, com o sentimento de desafio cumprido e a impressão de que não foi a última vez que visitarei aquela região!

Considerações e dicas:

  • Evite (mesmo!) fazer o Rastro da Serpente enquanto as obras não terminarem, a não ser que você esteja a fim de encarar um ambiente “off-road”.
  • Não se engane com o tempo que leva pra fazer os trajetos! A média de velocidade geral da viagem foi de 70km/h, ou seja, você vai demorar muito mais tempo do que está acostumado usando uma boa rodovia.
  • O clima na Serra do Rio do Rastro será sempre uma incógnita. Está bom em um dia, e ruim no outro. Se tiver uma agenda flexível, programe-se para ficar nos arredores da Serra por mais de um dia, assim se o tempo estiver ruim, ainda há chance de pegar ele limpo no dia seguinte. Consultar o site do mirante com cameras online pode ajudar.
  • É um absurdo a cobrança de pedágios para motos! A estrutura das praças de pedágios existente não foi feita para isso, e não sofreu qualquer adaptação para facilitar a vida do motociclista. Pelo contrário! Somos obrigados a usar as mesmas cabines dos carros e caminhões, que frequentemente tem o asfalto cheio de óleo!
  • Não dependa só do Waze, pois, com certeza, em algum momento ele ficará offline por falta de rede celular. Leve um aplicativo de GPS off-line, como o Here Maps, ou mesmo o Google Maps, lembrando de baixar os mapas antes.
  • Pousadas podem ser melhores que hotéis, vide a experiência com a Pica-Pau!
  • Apesar de ter moto há muitos e muitos anos, essa foi a primeira viagem verdadeiramente longa que fiz sobre duas rodas. Mesmo com todos os obstáculos, dores na coluna, braço, frio, chuva, etc,  o sentimento de liberdade proporcionado pelas duas rodas é insuperável.
Espírito Macgyver

É na hora do aperto que a criatividade aparece, kkkkk. Pegamos uma chuva brava chegando em Curitiba, que ensopou as roupas e obviamente os tênis. O que fazer?

O método do microondas não deu certo (eu avisei que não ia rolar, kkkk), então Bramac foi mais criativo e usou os abajures:

Eu enchi os tênis de papel higiênico, que puxaram boa parte da umidade durante a noite. Depois, enrolei a própria corda do secador de cabelo de forma que o interruptor ficasse pressionado, coloquei no mínimo, e deixei uns 10 minutos baforando em cada tênis, e funcionou 100%!

Secando o Tênis

Secando o Tênis

Visite o site www.motoencontros.com para conhecer muitos pontos de interesse em várias regiões do Brasil!

Galeria de Fotos

Saindo de Tatuí

Vida longa e próspera! Up the Irons!

FreeStyle Libre – o sensor pifou

E havia chegado a hora de colocar o quinto sensor, ou seja, mais de 2 meses usando o FreeStyle Libre sem qualquer problema!

A surpresa veio no dia seguinte… menos de 48 após a instalação do novo sensor, e já tendo feito várias leituras que aparentemente não apresentaram qualquer problema, passei o leitor para obter a glicemia e me deparei com uma mensagem que até então nunca tinha visto:

Sensor ruim

Sensor ruim

Por sorte, havia comprado mais de um sensor, então pude instalar um outro. No entanto, foi grande a apreensão de ter perdido quase R$ 250 devido a falha do sensor. Como a Lei de Murphy está sempre presente, o fato aconteceu num sábado, e o call center da Abbott não funciona nos finais de semana.

Na segunda-feira, liguei no 0800 e comuniquei o acontecido. Pediram o número serial do sensor e após alguns minutos, comunicaram que dentro de 48h uma empresa parceira iria entrar em contato por telefone, para agendar a substituição do sensor por um novo (sem custo). Pediram para que eu guardasse o sensor ruim na embalagem original (que felizmente ainda não tinha ido pro lixo), pois quando viessem entregar o novo, iriam recolher o defeituoso.

Passado mais de 48h e ainda sem receber a tal ligação, enviei um email para a Abbott cobrando uma posição. No dia seguinte, recebi a ligação que agendou a troca do sensor para a próxima segunda-feira. No entanto, para minha surpresa, na sexta-feira anterior a data agendada, apareceu uma pessoa aqui para fazer a troca do sensor (aparentemente o agendamento não tem muito efeito prático).

Enfim, felizmente a Abbott trocou o sensor defeituoso por um novo, sem cobrar nada por isso (o que é o mínimo esperado, diga-se de passagem). O fato serviu para aprender algumas coisas:

  • Sem mais nem menos, você pode se deparar com uma situação onde o sensor para de funcionar antes da hora.
  • É sempre bom ter um sensor reserva disponível. Se eu não tivesse, teria ficado 6 dias sem o monitoramento contínuo.
  • A Abbott poderia ter um 0800 funcionando 7 dias por semana, pois problemas não tem data para acontecer.
  • O processo da troca do sensor apresentou alguma demora, e a data agendada não foi respeitada (menos mal que adiantaram, mas dei sorte de ter gente em casa na hora que a pessoa apareceu).

Uma curiosidade: Todos os sensores que eu comprei até agora tem data de validade para o dia 31-Outubro-2016, ou seja, estão bem próximos de expirar. Me pergunto se o problema apresentado pode estar relacionado com essa proximidade da data de expiração.

Recebendo pagamentos do exterior

PayoneerQuando decidi lançar meu eBook Guia de Migração para o Firebird 3 em inglês, já prevendo oferecê-lo também em formato impresso através dos serviços de impressão sob demanda da CreateSpace, mal sabia os transtornos que viriam pela frete. Talvez o maior deles seja o fato que a CreateSpace só faz pagamentos através de cheques ou depósito bancários em bancos americanos.

Não preciso dizer que a opção “jurássica” de receber em cheque é quase que inviável no Brasil, visto que, além da demora (Correios), perde-se também muito dinheiro com as taxas cobradas pelos bancos e com a conversão de moeda. Abrir uma conta em um banco estrangeiro também é um processo burocrático e inviável para muitos.

A boa notícia é que existe um serviço chamado Payoneer, que facilita tremendamente receber pagamentos não só da CreateSpace, como de qualquer empresa internacional! O Payoneer é um cartão de crédito pré-pago, em USD. Ao se cadastrar na Payoneer e solicitar o cartão, você recebe também, automaticamente, uma conta corrente “virtual” em um banco americano (First Century Bank), com o serviço ACH (Automated Clearing House) habilitado. Isso possibilita que você receba pagamentos de praticamente qualquer empresa americana (ou estrangeira). Quando o dinheiro é depositado na sua conta virtual, ele automaticamente vai pro saldo do seu cartão Payoneer. O melhor é que você pode usar o cartão em qualquer estabelecimento que aceite Mastercard, inclusive para compras on-line em lojas do exterior (Amazon, Google, etc). Também dá pra sacar dinheiro em determinados caixas ATM em todo o mundo.

É óbvio que existem tarifas envolvidas em todo o processo. O próprio cartão tem um custo de anuidade de USD 30, além de ser cobrada uma pequena taxa a cada utilização. No entanto, pode ser uma boa opção para quem precisa receber pagamentos em dólar, e quer gastar esses dólares comprando em lojas virtuais americanas, ou mesmo em viagens para o exterior, visto que essas taxas serão menores do que os 6.38% de IOF que pagamos ao usar um cartão de crédito “brasileiro” para fazer compras em moeda estrangeira. Ainda não sei dizer se compensa usa-lo para sacar o dinheiro em Reais nos caixas eletrônicos no Brasil, pois vai depender da taxa de conversão adotada, e também da tarifa que a rede ATM irá cobrar.

Para os desenvolvedores de software, a Payoneer também aceita receber pagamentos diretamente de serviços como a PayPro, Digital River, etc.

Para quem ficou interessado, use esse link para se inscrever no Payoneer e receber USD 25 de crédito (tão logo acumule um saldo de USD 100 no cartão nos primeiros 12 meses após o cadastro – mais detalhes sobre as condições aqui). Com isso, quase que se zera a primeira anuidade.

Apps para o FreeStyle Libre

E lá se vão quase 2 meses usando o FreeStyle Libre! A facilidade de poder ler a glicose a qualquer momento, sem precisar picar o dedo, é um benefício que eu esperava há muito tempo. Mesmo as leituras não sendo totalmente compatíveis com as dos medidores tradicionais, o que mais me importa é mante-las dentro da zona desejada (no meu caso, definida entre 70 e 140 mg/dl).

O fato de poder sair de casa e não precisar levar glicosímetro, lancetador, lancetas, tirinhas de glicose, etc. é também uma libertação, especialmente para os homens, que não usam bolsas e, portanto, tem que “fazer milagre” pra acomodar tudo isso nos bolsos, ou então “alugar” a bolsa da esposa (que nem sempre o está acompanhando).

O melhor dos mundos seria não precisar levar nem mesmo o leitor do Libre! A boa notícia é que isso já é realidade, desde que você tenha um smartphone com NFC (Near Field Communication). O NFC está presente na maioria dos modelos de smartphones de categoria média e “top de linha”. Meu Galaxy S4, que já tem 3 anos, possui esse recurso (que por sinal, até pouco tempo atrás, nunca tinha sido usado). Hoje, muita vezes opto por deixar o leitor do Libre em casa e usar o smartphone pra ler a glicose.

No entanto, não basta apenas um smartphone com NFC. É necessário também um aplicativo instalado nele, que seja capaz de ler o sensor do Libre, interpretar as informações, e apresenta-las de forma amigável.

Existe um aplicativo oficial, homologado pela Abbott, chamado LibreLink. Infelizmente, ele ainda não está disponível para o Brasil. Entrei em contato com a Abbott, e o retorno que tive é que ele será disponibilizado por aqui, mas sem data prevista. Na base da “gambiarra”, consegui instalar o LibreLink no meu S4, mas ao tentar ler um sensor com o app, é exibida uma mensagem dizendo que o “sensor é incompatível” 🙁 Ou seja, teremos que aguardar sabe Deus quanto tempo para termos acesso ao app “oficial”. A vantagem de usar um app oficial é que temos a certeza de que ele foi testado pela Abbott e portanto, fornece informações seguras, usando provavelmente os mesmos algoritmos de correção/estatísticas existentes no leitor oficial.

Para quem tem pressa e não quer esperar pela liberação do LibreLink, já existem alternativas desenvolvidas por terceiros, que conseguem ler os sensores do Libre, e que podem ser usadas por nós, reles brasileiros! No entanto, esses apps de terceiros não são homologados pela Abbott, ou seja, eles apenas fazem a leitura do sensor e apresentam a informação, sem qualquer tipo de “inteligência” ou correção dos dados. Em outras palavras, a informação apresentada é a que foi lida diretamente do sensor e, portanto, pode divergir da informação apresentada pelo leitor oficial do Libre.

GLIMPGlimp Logo

O Glimp é um aplicativo bastante completo! Além de fazer a leitura dos dados do sensor do Libre, ele também permite que você entre com outros valores, por exemplo, carboidratos ingeridos, unidades de insulina aplicadas, calorias, medições realizadas com os glicosímetros tradicionais, etc. A coisa chega ao ponto de, ao reportar uma aplicação de insulina,  poder indicar inclusive em que região do corpo ela foi aplicada. Aliás, o app pode controlar o rodizio de regiões e também dos dedos, sugerindo a você qual dedo deve ser picado agora, ou qual local você deve injetar insulina. Como podemos observar, esse app pode ser utilizado até mesmo por diabéticos que não estejam usando o FreeStyle Libre!

Ele traz também uma calculadora de viagem, onde ao informar quantos dias ficará fora, faz uma estimativa de quanto de insulina, agulhas, etc. você precisará levar. Essas estimativas são baseadas nos dados coletados e inseridos no decorrer do uso do aplicativo.Glimp Grafico

O Glimp fornece inclusive lembretes importantes, por exemplo, quanto tempo resta para o sensor do Libre expirar, quanta insulina ainda resta nas suas canetas, etc. Obviamente, pra que algumas dessas informações sejam confiáveis, é necessário ter a disciplina de informar o aplicativo sempre que tomar uma dose de insulina, etc. Uma calculadora de calorias e carboidratos também está disponível.

Por último, o Glimp está integrado com o Dropbox, portanto, os logs podem ser compartilhados automaticamente entre vários dispositivos nos quais você tenha o Glimp e o Dropbox instalado (smartphones, tablets, etc).

Interessante também que o Glimp pode ser usado até mesmo para ler sensores expirados! Mas isso não é recomendado, pois a precisão de um sensor expirado já está comprometida.

LIAPPLiapp

O Liapp é um aplicativo muito mais simples do que o Glimp, mas as vezes a simplicidade é justamente o que procuramos! Se você quer apenas um aplicativo que leia o sensor do Libre e apresente o valor da glicemia, de forma simples e direta, sem gráficos complicados, etc. então o Liapp é para você!

Liapp GraficoVocê passa o smartphone sobre o sensor, ele coleta as medições das últimas 8 horas, e apresenta o valor da glicose naquele momento, e também um gráfico das últimas medições, ficando muito fácil de detectar a “tendência” da glicose. Há também um log com os valores das medições anteriores.

Posso então deixar o leitor do Libre de lado e usar apenas os aplicativos?

Bem, se o LibreLink estivesse liberado para o Brasil, eu diria: sim, com certeza! Afinal, ele tem o aval da Abbott. Mas, como não está, temos que usar os apps de terceiros, os quais não têm qualquer relação com a Abbott. Como ela não divulga publicamente o formato dos dados lidos nos sensores, os desenvolvedores desses aplicativos “não oficiais” tiveram que desvendar “na raça” esse formato, e nada garante que essa interpretação é 100% perfeita.

Particularmente falando, dependendo de onde vou e de cada situação, hoje me sinto confortável em as vezes não levar o leitor do Libre, e usar apenas o smartphone com o Liapp ou o Glimp para aferir a glicose.

Mas, na maioria das vezes, levo também o leitor oficial. Enfim, a escolha é sua, sendo importante entender os riscos.

Atenção!

Na página do Glimp existe um aviso de que alguns smartphones podem danificar o sensor do Libre:

Fique atento se o seu smartphone está nessa lista!

Pra encerrar, SEMPRE INICIALIZE UM NOVO SENSOR USANDO O LEITOR OFICIAL DO LIBRE E NÃO COM UM APP PARALELO!

Duas semanas com o FreeStyle Libre

Hoje completou as duas primeiras semanas usando o FreeStyle Libre. Se você não viu meu primeiro post sobre ele, recomendo que leia agora, e depois retorne para ler o restante desse post.

As primeiras impressões relatadas no primeiro post se mostraram acertadas e consistentes. Em suma, a precisão do Libre não é uma maravilha. Sempre há uma diferença entre a leitura do Libre e a de um medidor de glicose tradicional (que também não é preciso). Mas, a impressão que tenho é que essa diferença é maior quando a glicose está baixa.

O Libre parece ser bastante “conservador” em se tratando de mostrar que você já saiu da zona de perigo de hipoglicemia. Isso pode ser conferido nas imagens abaixo.

 

20160713_070547

Demora para detectar uma saída de hipoglicemia

Demora para detectar uma saída de hipoglicemia

Outra impressão que tive é que com o passar do tempo, a diferença entre o Libre e demais medidores aumenta cada vez mais. Talvez essa seja uma das razões para o sensor expirar em 14 dias, obrigando você a instalar um novo. Aparentemente, na minha experiência, a diferença começou a ficar mais gritante a partir do 11º dia de uso, ou seja, faltando 3 dias para o sensor expirar:

Diferença entre aparelhos

Diferença entre aparelhos

Diferença na leitura (sensor perto de expirar)

Diferença na leitura (sensor perto de expirar)

Note que essa questão das diferenças nas leituras é esperada, e por isso mesmo, a própria Abbott recomenda conferir com um medidor tradicional quando algo não parecer estar correto.

Após expirado o sensor, o leitor do Libre não permite mais fazer leituras:

Ao tentar ler um sensor expirado

Ao tentar ler um sensor expirado

No entanto, ainda é possível (apesar de não recomendável) ler o sensor usando aplicativos disponíveis na loja de aplicativos do Google (mais sobre eles em um próximo post). Sendo assim, fiquei por algumas horas com os dois sensores no corpo (um em cada braço) – o expirado, e o novo. A diferença nas medições foi bem grande, o que reforça a impressão de que quanto mais próximo de expirar, menos preciso ele fica:

Sensor expirado

Sensor expirado

Sensor novo

Sensor novo

Sensor novo x medidor tradiciona

Sensor novo x medidor tradicional

Mas então, qual a vantagem de usar o Libre, se não é possível confiar 100% nas suas medições? Simples! Quase tão importante quanto a precisão, é você poder acompanhar a curva/evolução da glicose no decorrer do dia. Com a experiência, você consegue determinar as tendências e agir pró-ativamente na correção, seja para mais ou para menos. No meu caso, a quantidade de “picadas” no dedo, depois de usar o libre, caiu de (no mínimo) 5 vezes por dia, para 2 ou 3 vezes por semana. Nem preciso dizer que meus dedos agradeceram bastante 🙂

Há muito para melhorar, e com certeza a Abbott está trabalhando para evoluir o produto. Mas na forma que está hoje, já traz muitos benefícios, desde que você saiba interpretar as leituras, tendências, e tenha consciência de que ainda será necessário “tirar a prova” com um medidor tradicional de vez em quando. Talvez por isso também o aparelho ainda não tenha sido aprovado pela FDA. Nos EUA, existe um movimento pressionando os fabricantes de medidores de glicose para diminuir a margem de erro dos aparelhos.

Abaixo, a título de curiosidade, segue a foto do sensor expirado (já removido), e de como ficou a pele no local onde ele estava instalado (a pele voltou ao normal depois de alguns minutos).

Sensor expirado

Sensor expirado, dá pra ver o filamento que fica inserido na pele.

Logo após remoção do sensor (após 14 dias)

Região do braço, logo após remoção do sensor (após 14 dias)

Meu próximo post será sobre os aplicativos “paralelos” disponíveis na Google Play. Infelizmente, o aplicativo oficial da Abbott, chamado LibreLink, não está disponível para o Brasil. Espero que seja liberado logo, pois seria muito prático levar apenas o smartphone comigo, sem necessidade de levar também o leitor do Libre.

1 2 3 4 79