Finalmente: Freestyle Librelink – BR

Atualizado em 07/02/2019

Quem é usuário do monitor de glicose Freestyle Libre, da Abbott, deve saber que há mais de 2 anos, os usuários de outros países – em especial os Europeus – tem a possibilidade de verificar os níveis de glicose lendo o sensor com o celular, sem precisar levar “pra lá e pra cá” o leitor oficial do Libre. Isso é feito através de um aplicativo chamado LibreLink.

LibreLink

Até o final de 2018, esse aplicativo não podia ser instalado pelos brasileiros. Nem mesmo uma instalação “hackeada” funcionava, visto que o app não conseguia fazer a leitura dos sensores vendidos no Brasil. Felizmente, agora já é possível usar o LibreLink no Brasil!

Mas porque usar o LibreLink, se há outros aplicativos “paralelos” que já conseguiam ler o sensor do Libre? A resposta é simples: os outros apps paralelos não são homologados pela Abbott, e não possuem o algoritmo deles, que corrige os valores registrados pelo leitor, trazendo-os para valores mais próximos do real. A correção é necessária porque o sensor faz a leitura da glicose a partir do líquido intersticial, e não diretamente do sangue.

Importante! Para fazer uso do LibreLink, seu smartphone precisa ter o recurso de NFC (Near Field Communication) habilitado. Aparelhos “top de linha”, como os Galaxy S7, S8, S9, etc. tem NFC.

Note que, se você desejar continuar usando o leitor do Libre juntamente com o LibreLink, terá que primeiro inicializar o novo sensor com o leitor tradicional, e em seguida inicia-lo com o LibreLink (nessa ordem!).

Ao executar o app pela primeira vez, será necessário criar uma conta (gratuitamente) no LibreView, o que pode ser feito através do próprio app. Existe um site, www.libreview.com, que você pode acessar logando com a conta que foi criada. Nele você tem acesso a relatórios variados, similares aos do software da Abbott disponível para Windows. O LibreLink envia suas medições de glicose automaticamente para o site do LibreView. Existe uma configuração na conta onde se insere um “ID de Consultório”, o que permite que seu médico acesse e visualize seu histórico de glicemia de forma on-line. Obviamente, pais também podem usar o site como uma forma de monitorar remotamente a glicemia dos seus filhos (desde que as crianças realizem as leituras com o app e tenham conexão com a internet no smartphone).

Dica: No LibreLink é possível adicionar as informações de dosagem de insulina em medições anteriores, coisa que não dá pra fazer no leitor do Libre.

Não deixe de ver meus outros posts sobre Diabetes aqui no blog.

PS: Não tenho iPhone, mas li reports de pessoas dizendo que o LibreLink já está disponível para iOS também.

Enviando dinheiro para o exterior com o menor custo possível

Quem tem filhos estudando no exterior, ou tem conta corrente aberta em algum banco fora do Brasil, costuma rotineiramente fazer envios de dinheiro. Até algum tempo atrás, a única alternativa “eletrônica” era utilizar serviços de SWIFT de bancos tradicionais, o que geralmente envolvia altas taxas de serviço, além de um câmbio geralmente muito maior do que o dólar oficial, ou o uso de métodos menos tradicionais (e geralmente mais caros), como Western Union, Paypal, etc.

Felizmente, hoje a coisa é bem mais tranquila e “barata”. Serviços como o Transferwise (dos mesmos criadores do Skype) chegaram para facilitar a vida, com a vantagem de cobrarem taxas muito menores e usarem o dólar oficial como base.

Para fazer uma transferência pelo Transferwise, primeiro você precisa se cadastrar no site, uma operação feita de forma totalmente online. Se desejar movimentar quantias maiores de dinheiro, terá que fazer uma validação mais apurada da sua identidade, enviando fotos dos seus documentos para análise. O processo é bem tranquilo e rápido.

Com o cadastro efetuado e aprovado, você já pode fazer seu primeiro envio. Para isso, crie uma nova transferência no site, indicando o quanto deseja transferir (em R$) e qual é a moeda de destino, por exemplo, USD (dólar americano). A página já irá lhe mostrar o quanto o destinatário irá receber, detalhando as taxas, câmbio utilizado, etc. de forma muito transparente. Indique quem receberá o dinheiro, informando os dados da conta no exterior, e finalize o processo. Feito isso, você tem 48h para pagar a Transferwise (via TED ou boleto bancário). Durante essas 48h, o câmbio contratado no momento em que criou o pedido de remessa no site fica garantido. Se você pagar depois desse prazo, será usada a cotação do momento, que poderá ser maior ou menor do que o câmbio anteriormente contratado, afetando diretamente o valor que o destinatário irá receber. Aconselho enviar o dinheiro via TED, para não pagar a tarifa do boleto, além de ser processado muito mais rápido.

Quando a Transferwise recebe seu dinheiro, ela inicia o processo de crédito na conta de destino, o que geralmente leva entre 1 e 2 dias úteis (depende do país, quantia, etc).

O interessante disso tudo é que seu dinheiro na verdade nunca sai do Brasil! A operação é totalmente legal e dentro das normas exigidas pelo Banco Central do Brasil. No final do artigo tem um vídeo mostrando como funciona o processo (legendas em português).

Enfim, fica a dica para quem precisa enviar recursos para o exterior e deseja ter o menor gasto possível. Minha experiência com a Transferwise até o momento foi totalmente positiva! Não tenho do que reclamar.

Gostou? Faça seu cadastro no site da Transferwise usando esse link, e terá isenção das taxas na primeira transferência feita no valor de até £ 500.