Saudades do “baixo nível” :)

Há alguns dias atrás, fuçando em uma pilha de CDs do “fundo do baú”, encontrei um CDShare de 1994, que até onde lembro, foi distribuído na (falecida) Fenasoft.

O CD era montado pela Kanopus e distribuído pela RBT (Rede Brasileira de Teleinformática). A WarmBoot BBS, da qual fui SysOp, era integrante da RBT, e contribuía com o conteúdo do CD disponibilizando as edições do WarmNews, uma revista eletrônica em SVGA que eu havia desenvolvido em Turbo Pascal + inline ASM, contendo matérias de interesse geral, especialmente para os usuários de BBS.

Para situar os mais novos (que já nasceram na época da Internet), os BBS eram servidores conectados a linha telefônica através de modems, onde as pessoas se associavam e conectavam (via modem discado) para trocar mensagens e arquivos.

Mais detalhes do WarmNews ficam para um próximo post. Esse aqui é pra tratar de um pequeno executável chamado great2!.exe que era distribuído com todos os arquivos da WarmBoot, e continha informações sobre o BBS, como conteúdos, telefone, etc.

O great2! foi feito também em Turbo Pascal + inline ASM, e tinha cerca de 6kb de tamanho (após ser comprimido pelo lzexe). Naquela época, um dos meus passatempos era programar em baixo nível, especialmente em Assembly. Ainda tenho aqui livros sobre programação “baixo nível” pra EGA (quem lembra disso?), VGA e SVGA. Devido ao pouco poder de processamento dos 286 e 386, qualquer coisa “gráfica” decente precisava ser feita em ASM para que tivesse a performance adequada. A particularidade do great2! era que ele não usava gráficos, mas sim tela texto “normal”, e rotinas em ASM para sincronizar a pintura da tela com o refresh do monitor (CRT, obviamente), de forma a se conseguir uma rolagem e transições suaves! O pequeno executável também tocava um “midi” em background (na época, a SoundBlaster era o padrão em placas de som, totalmente compatível com a – ainda mais arcaica – AdLib), exibindo um “VU” na tela para cada instrumento da música, dando um efeito de “spectrum analyzer” 😀

A rotina de música e a própria música em si peguei prontas na – até então só disponível em universidades públicas – Internet.

O mais impressionante é que consegui rodar o great2! (e o WarmNews também) em um emulador de DOS (DosBox dentro do Windows 7 64bits) e funcionou perfeitamente, inclusive com som e rolagens suaves!

Abaixo segue um vídeo que gravei do great2! sendo executado. Saudades de quando tinha tempo de brincar com essas coisas…

SRV: Day by Day, Night After Night – His Final Years, 1983-1990 [review]

srv-livroImperdível, para qualquer fã de Stevie Ray Vaughan!

Stevie foi um grande guitarrista, talvez o melhor, que já passou pelo mundo do Blues!

A vida é cheia de fatos curiosos e inexplicáveis: nunca tinha ouvido falar de Stevie até que vi a notícia sobre sua morte na TV. Lembro até hoje da notícia dada no Jornal Nacional que, por algum motivo que desconheço, ficou marcada na minha memória. Tempos depois, tive meu primeiro contato com a música de Stevie, e a partir de então, me tornei um fã e admirador do seu trabalho.

Ouvir e ver Stevie tocar é a confirmação de que existem pessoas que simplesmente nascem com o dom da música em suas almas, e ele com certeza era uma delas. A guitarra tornou-se uma extensão do seu próprio corpo. Enquanto tocava, eram uma coisa só. Sua paixão pela música e pelo instrumento era expelida em cada nota que saía de sua guitarra!

O livro é escrito de forma curiosa, mas que funcionou muito bem: seguindo uma sequência cronológica, ele lista praticamente tudo que já se falou, publicou ou se exibiu sobre Stevie, datas de apresentações, set lists, etc,  intercalando essas informações com depoimentos da época, dados por amigos, companheiros de banda, músicos e familiares e muitas, mas muitas fotos!

Cobre também a fase onde Stevie quase morreu devido ao abuso de álcool e drogas, e como conseguiu superar tudo isso e ficar limpo até o final da vida.

As páginas que tratam do acidente que matou Stevie, com detalhes e depoimentos de pessoas que estavam com ele minutos antes do ocorrido, são de pura emoção! Pode-se sentir a aflição, a tristeza e o choque da notícia em cada uma das narrativas.

Stevie era um artista que chegou no topo, mas que não deixou o sucesso subir a cabeça. Ficava puto quando colocavam seus ídolos pra abrir seus shows, demonstrando o respeito e a admiração que tinha por aqueles que o influenciaram.

Até hoje, ninguém conseguiu chegar perto do seu talento. Eric Clapton disse que se sentiu “envergonhado” diversas vezes por sua habilidade “limitada”, após assistir Stevie se apresentando.

O livro é nota 10 e deveria fazer parte da estante de todo fã! Infelizmente, ainda não há uma versão em português. Se você lê inglês, pode comprá-lo direto na Amazon. Se não lê mas é fã, vale a pena somente pelas fotos que contém! A qualidade é excelente como pouco se vê nos livros de hoje em dia: capa dura, totalmente colorido, impresso em papel couche.