Review: Bring Metal to the Children

Quem é fã de Heavy Metal, ou apenas gosta de uma guitarra bem tocada, dificilmente não conhece Zakk Wylde, um grande guitarrista, ex-bebum, com um senso de humor bem particular.

Zakk ficou famoso ao entrar para a banda de Ozzy Osbourne, substituindo Jake E. Lee. Discípulo de outro ex-guitarrista de Ozzy – Rhandy Rhoads, Zakk conseguiu algo cada vez mais difícil no mundo musical: dar uma identidade própria ao som que produz. Reconhecer Zakk é muito fácil, seja pelo visual e atitude que é uma mistura de biker + viking + astro-do-rock, ou pela famosa guitarra Les Paul Bull’s Eye, ou pelos “falso harmônicos” que ele usa como ninguém em suas músicas! Atualmente Zakk tem sua própria banda, Black Label Society.

Recentemente, adquiri a versão eletrônica (Kindle) do livro Bring Metal to the Children, escrito por Zakk (com a participação de amigos) e que rende algumas horas de diversão e boas risadas, especialmente ao ler as situações inusitadas que ele narra sobre episódios hilários que aconteceram durante sua carreira e infinitas turnês que já participou!

O livro tem a pretensão de ser um “guia de sobrevivência” para quem pretende se tornar um astro do rock. Zakk usa sua experiência no assunto para dar dicas de como sobreviver às inúmeras situações que a vida de um rock star impõe, incluindo aí as “zoeiras” que os membros da banda sempre fazem um com o outro. Algumas histórias são realmente engraçadas, como por exemplo, quando ele e outros músicos da banda de Ozzy esconderam m*rda pelo quarto onde o madman estava hospedado, e que só foi descobrir dias depois de onde vinha aquele cheiro estranho 😀 Obviamente a brincadeira não ficou impune 😉

O livro, até o momento, só está disponível em inglês, nas versões impressa e digital (que pode ser lida na maioria dos tablets e smartphones, bastando instalar a aplicação do Kindle).

Recomendo a leitura para todos que gostam de Metal e querem dar algumas risadas, lembrando que a maior parte do livro não deve ser levada a sério (se é que alguém pode não perceber isso, eheheh).

PS: Você pode comprar o livro direto da Amazon com os links acima, lembrando que importação de livros no Brasil é livre de imposto. A versão eletrônica tem a vantagem de não pagar frete e você baixar imediatamente.

 

Dicas Visa Travel Money

Como estamos num país de décimo mundo, onde o governo sempre tenta dificultar a vida do povo, na esperança de abocanhar mais dinheiro, usar um cartão de crédito internacional deixou de ser interessante em viagens internacionais, depois que a digníssima presidenta subiu o IOF para 6.38%, ou seja, para qualquer compra em moeda estrangeira no cartão de crédito, o governo cobra 6.38% a mais (nem vou entrar no mérito da taxa de câmbio utilizada pelas operadoras de cartão). Detalhe: Antes o valor do IOF era de 2.38% (digamos, muito mais aceitável).

A dica para quem viaja para o exterior é fazer um cartão de crédito pré-pago, pois neles o IOF é de “apenas” 0.38%. O mais conhecido é o VTM (Visa Travel Money), oferecido no Brasil por algumas instituições financeiras ou casas de câmbio.

Maaassss, como tudo aqui tem um porém, ao usar um VTM para fazer reserva em hotel ou alugar carro, a VISA “bloqueia” 15% a mais do valor no saldo do seu cartão. Eles chamam isso de “taxa de segurança”, no caso de você consumir alguma coisa no hotel, ou quebrar alguma coisa no seu quarto. No “checkout”, o hotel confirma com a operadora o valor que será efetivamente debitado do cartão. Se não houve consumo ou você não destruiu nada por lá, a VISA te “devolve” os 15% em até 10 dias após a confirmação do hotel. Se houve consumo e ele foi menor do que o valor dos 15%, então o valor estornado será a diferença.

Acho isso ridículo, mas é assim que funciona. Mas e quando você reserva o hotel com meses de antecedência? Essa foi minha situação, e não encontrei nada pela internet que informasse exatamente como funcionaria esse bloqueio. Meu medo era que o saldo ficasse bloqueado por meses, até a data do checkout. Depois de vários emails e ligações com o pessoal do banco e do VTM, resolvi arriscar, e esse é o resultado:

Ao fazer o pagamento de uma reserva antecipada, a VISA irá debitar do saldo do seu cartão 15% a mais do valor efetivo da reserva. O hotel tem 15 dias, a partir da data do pagamento, para confirmar o valor da transação. Se o valor confirmado for exatamente o valor da reserva, os 15% a mais serão estornados integralmente. Se o hotel não se manifestar nesse prazo de 15 dias, o valor dos 15% será estornado automaticamente pela VISA (pelo menos é isso que eles dizem).

No meu caso, paguei a reserva de um hotel da Disney, e 3 dias depois os 15% já estavam estornados.

Outra dica sobre VTM: dê preferência de pegar um com chip, por ter senha e portanto ser mais seguro. Além disso, se você pretende usar o VTM para compras na internet, pode ser que ele não seja aceito. O que dizem é que se for um VTM Platinum (atualmente oferecido pelo Banco Rendimento), a chance de ser aceito é bem maior. Foi esse que peguei.

Não esqueça também de brigar no valor do dólar, na hora de fazer a conversão do câmbio pra carregar o cartão com dinheiro. Tente fazer com que o atendente deixe pelo valor do dolar turismo mostrado em sites como UOL, etc. Eles sempre jogam um valor maior de início.

Mais uma vez, o Brasil sai na frente no quesito “complicar a vida do cidadão”. Que saudades dos tempos onde não era necessário fazer toda essa “gambiarra”!

Boa sorte!