Twitter

Motocada para a Chapada dos Veadeiros

Até algum tempo atrás, não me imaginaria fazendo uma viagem tão longa se não fosse de avião… de moto então, nem pensar! Coisa de louco! Afinal, em apenas um dia, viajaríamos cerca de 1.150km! Mas, quando tem pelo menos mais um louco disposto a cometer a loucura, porque não tentar?

E foi isso que fizemos! Uma viagem de 4 dias, que no total deu 2.600km, dos quais 1.150km foram percorridos em um único dia!

O local escolhido foi a Chapada dos Veadeiros, em Goiás. No meio do cerrado, a região conta com inúmeras cachoeiras com águas cristalinas, graças ao leito rochoso dos rios.

ChapadaCom a ajuda do amigo Bressan, que conhece a rota e definiu os postos de parada a cada 200km para abastecer, partimos saindo de Piracicaba/Paulínia-SP as 6h30am, e alcançando o destino final (Alto Paraíso de Goiás) as 21h30! Diferente da viagem anterior para a Serra do Rio do Rastro, essa contou com praticamente 100% de asfalto bom, e uns 80% das vias duplicadas. A paisagem até Brasília não é bonita, sendo muitos trechos “cheios de nada”, e alguns outros sofrendo com as queimadas. Depois de Brasília, a coisa fica mais interessante, com a vista das montanhas no horizonte, coisa que pudemos apreciar apenas na volta, visto que na ida passamos por lá a noite.

Cachoeira dos CourosFicaríamos apenas dois dias na região, portanto não havia tempo a perder! Após nos informar com os locais, definimos que a primeira cachoeira a ser visitada seria a dos Couros. É um conjunto de 3 quedas, formadas pelo Rio dos Couros, com diversos poços para nadar, e água cristalina. A surpresa ficou pelo fato de que, para chegar lá, pega-se 22km de terra vermelha (ou seria melhor dizer “talco” vermelho?!), com alguns trechos esburacados ao extremo, que rendeu a primeira queda da viagem (felizmente nada aconteceu com a moto, nem com o Bramac). Após passar por todas as cachoeiras, não poderíamos ir embora sem dar uns pulos naquela água cristalina e gelada!!! Restaurante Dna. EleusaSaímos de lá pra almoçar no restaurante da Dna. Eleusa, situado há uns 7km do estacionamento da cachoeira, no meio do nada! Já tínhamos encomendado o rango , então foi só chegar e bater a bóia. Voltamos pra Alto Paraíso, em direção a Cachoeira das Elmécegas, uma das poucas que fica relativamente perto da cidade.

Cachoeira Elmécegas 1A caminho da Elmécegas 1Chegando na entrada da fazendo, percebi que o guidão da moto estava meio solto. Um dos parafusos do raiser acabou afrouxando com tanta vibração causada pelas milhares de “costelas” do trajeto off-road anterior. Voltamos para a pousada, apertamos tudo, e partimos para a Elmécegas novamente. Como já era meio tarde, decidimos ir apenas na Elmécegas 1 (são duas no total), pois todos disseram que era a mais bonita. E realmente o lugar é muito bonito! Um paredão com vários níveis, formando diversas quedas e um grande poço para nadar. Água gelada, obviamente, mas quem tá ligando?! Para chegar nela, há uma trilha que deve ser percorrida a pé, com muita subida pra judiar das pernas.

Voltamos para a cidade pra jantar na Vendinha 1961 (fica a dica), e conversando com o pessoal, decidimos que no dia seguinte iriamos para a Cachoeira da Santa Bárbara. Detalhe: fica em outra cidade, Cavalcante, a cerca de 120km de Alto Paraíso, sendo que 30km são de terra!

E lá fomos nós novamente, botar nosso espírito de aventura a prova, em mais 30km de muita poeira, costelas e… tombos!

Cachoeira Santa BárbaraCachoeira Santa BárbaraA cachoeira da Santa Bárbara é famosa pela cor da água! E realmente, é um azul cinematográfico! Para chegar lá precisa pagar pra entrar (R$ 20) e é obrigatório contratar um guia (R$ 70, valor que você pode dividir com quem estiver junto). Desse ponto até o estacionamento (que nada mais é do que um descampado onde você deixa os carros e motos) são cerca de 1.5km, e depois mais uma pernada a pé até chegar na cachoeira propriamente dita. Independente de qualquer coisa, ir pra região e não ir nessa cachoeira é a mesma coisa que ir pro Rio de Janeiro e não ir no Pão de Açúcar. PS: A função do guia é basicamente não deixar você ficar mais que uma hora no local.

Cantu e BramacDepois de quase uma hora contemplando a beleza do lugar, voltamos pro estacionamento com a ideia de ir em outra cachoeira próxima (Capivara), mas foi aí que a “zica” maior aconteceu: tomei um tombo ao passar num banco de areia, que acabou danificando as carenagens da moto, riscou o tanque, além de quebrar o espelho e a seta esquerda. Fiquei um pouco ralado, e com as costelas bastante doloridas (felizmente não quebrei nada). Alguns metros pra frente, foi a vez do Bramac cair, também num banco de areia, mas felizmente os protetores da moto impediram qualquer dano. Decidimos voltar pra Alto Paraíso, pra dar uma ducha nas motos, pois ainda seguiríamos até Brasília, onde iríamos pernoitar pra que no dia seguinte voltássemos pra casa. Felizmente, em cima da moto, e com a ajuda dos “DorFlex” da vida, foi tudo de boa.

O último dia da viagem, assim como o primeiro, foi gasto basicamente em cima da moto. Fiz um “Macgyver” na seta quebrada, e deixei ela funcionando. O espelhinho fez falta, mas tinha o do outro lado pra usar.

Chegamos em casa no final da tarde, sãos e salvos, e com mais histórias pra contar.

Segue algumas dicas pra quem quiser se aventurar naquela região:

  • Prepara-se para comer muita poeira, pegar muita terra e, possivelmente, tomar uns tombos. Não se atreva a ir de Custom ou qualquer moto que não tenha o mínimo de “pegada off-road”.
  • A região é repleta de cachoeiras, mas elas ficam longe uma das outras, portanto, você terá que andar bastante (de carro/moto, e a pé). É quase impossível conhecer mais que duas cachoeiras por dia, devido a distância entre elas!
  • As estradas (asfaltadas) estão boas e praticamente não tem radares (salvo nos trechos urbanos, como em Brasília, que desafia sua paciência com dezenas de radares de 60/40 km/h)!
  • Lembre-se de levar um “Kit MacGyver”, com chaves, canivete, fita isolante, etc. pois é quase certo que em algum momento você irá usar alguma dessas coisas.
  • Se sua moto não tem protetor de motor/carenagem, sugiro que instale um antes de ir, pois é quase certo que em algum momento você irá tombar (aprendi a lição, e já comprei o meu).

 

Você pode visualizar os pontos pelos quais passamos, além de muitos outros pontos de interesse para motociclistas, no site www.motoencontros.com

FreeStyle Libre, e a montanha russa dos sensores

Recentemente quebrei o recorde de substituição de sensores do Libre com problemas! Nas últimas duas semanas, foram 3 sensores para o lixo. Um deles simplesmente não funcionou depois de colocado, o outro soltou sem razão aparente, e o terceiro começou a apresentar divergências absurdas nas leituras, após o 5º dia de uso. Interessante que tudo isso aconteceu depois de ter ficado 14 dias com um sensor que funcionou extremamente bem, inclusive na precisão das leituras. Ou seja, foi como ir do céu para o inferno <g>.

A Abbott tem trocado os sensores sem custo adicional, mas essa “montanha russa” sempre deixa uma apreensão, gerando um estresse desnecessário. A troca também demora alguns dias para acontecer, portanto, sou obrigado a manter pelo menos um sensor “em estoque”, no caso de algum ter que ser substituído antes da hora.

Continuo achando que o FreeStyle Libre vale a pena! Não me imagino hoje vivendo sem ele, mas com certeza a tecnologia empregada tem que evoluir, para acabar com as grandes diferenças nas leituras e todos esses outros problemas. Imagino também que com um menor número de substituições, o preço do produto ficaria mais acessível (menos trocas = menos dinheiro perdido).

FreeStyle Libre – “A diferença é aceitável”, #SQN

E vamos para mais uma história que não contribui em nada para a imagem da Abbott no Brasil: Estou com um sensor do FreeStyle Libre no braço há 10 dias, que desde ontem começou a apresentar diferenças muito grandes em relação ao exame de “ponta do dedo”, conforme fotos abaixo.20161206_093754

Liguei para o 0800 da Abbott para relatar o ocorrido. Observe que em uma das fotos, enquanto o Libre mostrava uma glicemia de 68 (HIPOglicemia), o exame de ponta do dedo mostrava 140 (HIPERglicemia). Ou seja, enquanto segundo o Libre eu teria que ingerir carboidratos para subir minha glicose, o outro mostrava o inverso: que eu precisava tomar insulina para baixá-la.

A atendente da Abbott, após realizar os “testes de qualidade” baseado nos valores das medições que eu passei, disse que a diferença é considerada aceitável pelo laboratório! COMO ASSIM?! Como pode ser aceitável uma diferença de mais de 70mg/dl entre os medidores, um dizendo hipoglicemia e outro dizendo hiperglicemia?

20161206_015737Me recusei a aceitar que uma diferença dessas fosse normal, até mesmo por experiência com os sensores anteriores. Insisti com a atendente, sem sucesso, então pedi para falar com um superior, que apenas seguiu o protocolo dizendo as mesmas frases que a atendente anterior já havia dito: que os valores informados estavam dentro do aceitável e blábláblá. Deixei claro que era um absurdo dizer que uma diferença dessas era normal, e que eu teria que jogar fora o sensor e colocar um novo, 4 dias antes de expirar, ou seja, estou jogando fora 30% do que gastei com ele (o que dá aprox. R$ 70 de prejuízo).

Qualquer diabético com o mínimo de conhecimento, ou qualquer médico, acharia absurdo a afirmação de que tal diferença é aceitável. É óbvio que o sensor perdeu a precisão! Também é óbvio que a atitude da Abbott não colabora nem um pouco para a imagem dela no mercado, muito menos para a confiança no produto.20161206_030140

Em grupos sobre Diabetes no Facebook, é muito comum encontrar outras pessoas que passaram pela mesma situação. Algumas até mesmo já desistiram de usar o Libre, por não confiarem mais nos valores, mas principalmente pelo descaso do atendimento com o cliente.

Precisamos urgentemente de competição! Quem sabe assim a Abbott muda sua postura e passa a tratar o cliente com mais respeito. Esse já deve ser o quinto sensor que dá defeito… até então, a Abbott vinha trocando os sensores sem custo, o que é o mínimo esperado. Mas dessa vez, foram irredutíveis, e tive que arcar com o prejuízo. Se isso virar rotina, o jeito será abandonar o produto, pois dinheiro não é capim.

Vale lembrar que não é apenas a questão financeira e a confiança que está em questão. Como se isso não bastasse, temos que perder tempo ligando para o atendimento do laboratório, e as vezes ouvir esses absurdos. Ou seja, gera um stress que não deveríamos ter que passar, até porque stress também colabora para um descontrole da glicose.

Freestyle libre – problemas com sensores

Estou indo pro meu 12º sensor do FreeStyle Libre! Considerando que cada um dura 14 dias, já seriam cerca de 6 meses usando o Libre, no entanto, não foi bem assim!

Quatro sensores deram problemas, e tiveram que ser substituídos antes dos 14 dias. Felizmente, a Abbott tem trocado os sensores sem custo, no entanto, acabo tendo que manter sempre um sensor de “backup” para evitar ficar sem quando dá problema em algum, visto que o processo de “substituição” demora alguns dias.

No entanto, algumas coisas começam a me preocupar:

  1. Quatro sensores, entre onze, deram problema, ou seja, cerca de 35% – um número considerável! Os problemas variam entre medições (muito) incorretas até falha total do sensor (impossibilidade de fazer a leitura).
  2.  Um número tão alto com certeza não sai de graça, ou seja, o custo dessas substituições já deve estar incluso no preço de cada sensor, tornando eles mais caros do que poderiam custar.
  3. Hoje tive que insistir muito com a atendente da Abbott, para conseguir que trocassem o sensor, que estava apresentando medições muito mais baixas do que o “real”. Comparei a medição do sensor com dois medidores diferentes (Accucheck e OneTouch), e a diferença foi de mais de 60 mg/dl, para menos. Por exemplo, na foto abaixo, enquanto o Accucheck mostrava 106, o Libre indicava “LO” (que significa um valor menor que 40!). Durante a madrugada, ao tentar fazer a leitura, por três vezes o aparelho dava mensagem de que não tinha sido possível fazer a leitura, e que eu deveria aguardar mais 10 minutos e tentar novamente (demorou mais de 40 minutos para voltar a ler, e mesmo assim, os valores estavam errados). A atendente insistiu que essa diferença é considerada aceitável, o que é um absurdo! Minha própria experiencia com os sensores anteriores serve como base de que essa diferença estava anormal. Geralmente, há sim diferença, mas não tão grande. Uma diferença alta no valor das leituras pode fazer com que se faça uma correção errada, seja ingerindo açúcar desnecessariamente (gerando hiperglicemia), ou então tomando uma dose corretiva de insulina, e correndo o risco de ter uma hipoglicemia.

Enfim, talvez seja por isso que o FDA ainda não aprovou o Libre nos EUA. É necessário ter um bom conhecimento da doença para identificar as falhas quando elas ocorrerem, e evitar de fazer uma besteira. Fica claro, mais uma vez, que ainda dependemos dos testes tradicionais para “tirar a prova” em leituras “estranhas”.

20161026_061421 20161026_002004

Motorcycle trip to Serra do Rio do Rastro 2016

Clique aqui para ler em português.

Any self-respecting biker ever heard of Serra do Serra do Rio do Rastro, in Santa Catarina, with 284 curves, some reaching up to 180 degrees. I was planning this trip from a long time, and finally the “conjunction of the stars” allowed me and three friends (Bramac, Hertz and Rubão) to sync our schedules and left to SRR in Sep, 22 2016!

Day 1

Dia 1

First day (off-road emotion)

The idea was to make the entire trip in 4 days, leaving Piracicaba (friends leaving from Paulínia and Campinas), meeting the guys in Tatuí, and stopping at Curitiba to overnight. The path was chosen to go by the Serpent’s Trail

Stop-Follow

Stop-Follow

End of the trail

End of the trail (Hertz, me, Bramac and Rubão)

We  were in four motorcycles, two Harleys, a BMW GS1200 and a Triumph Tiger 800. Needless to say, the Harleys were those that suffered most in this circuit. Honestly, I do not advise anyone to do the serpent’s trail while the works are not completed. In addition to more dangerous and stressful, the travel ends up taking much more time than anticipated. We left home at 7:30 and arrived in Curitiba at 6:00 pm!

Riders Pub

Riders Pub

We stayed at the Che Lagarto Hostel. We had dinner at the mall that was next to the hostel and went to a motorcycle-themed bar, to drink a craft beer (a walking circuit, since the locations are near to each other). We scheduled with a local friend to go to a rock’n’roll bar (with live music) when we return from SRR.

Day 2 (part 1)

Day 2 (part 1)

Second day (bucolic path)

SRR Pomerode

Pomerode

We had coffee at 7:00 am, and left to Urubici, where we would stay overnight. The initial planning was to arrive in time to do the Serra do Rio do Rastro also at the night. The chosen path was a hint from Elisabete Bach, described by her as a more “bucolic” circuit compared to just taking the BR 101 highway, and really worth it! Roads and beautiful mountains, with good asphalt and little traffic. We stopped in Jaraguá do Sul for gas and to eat something, and moved to Blumenau, stopping to visit the German Village (where the Oktoberfest happens) and to lunch. Following the way through the European Valley, with a stop in Pomerode, to take a look at the newly opened brewery factory “Schornstein”.

Day 2 (part 2)

Day 2 (part 2)

German Village

German Village

From Pomerode, we left for the final destination of the day, Urubici, passing by Camboriú, Florianópolis, São José, and going up trough the Santa Catarina’s range. The traffic to San Jose was really heavy! Unfortunately, night has fallen and we ended up passing by the mountains without sunlight, so we couldn’t enjoy the view… what a shame!

Pousada Pica-Pau

Pousada Pica-Pau

We arrived in Urubici around 9:00 pm, and meet Wesclei, the owner of Woodpecker’s Inn. A hint for those who want an excellent lodging option in Urubici, with an impeccable service! We eat pine nuts toasted in the wood stove, while waiting for just ordered pizzas. One of Harleys engines was dying when it slows down. After consulting our “technical support” Alex (Bros Bikers), which gave us some guidelines on what to do, we went to take a shower and to sleep.

Day 3 (part 1)

Day 3 (part 1)

Day 3 (the range and the cripple)

We had coffee the 8:00 am, fueled up with gas, and left to the Church’s Hill. This is an obligatory stop for any traveler around. The view is simply magnificent! The clouds were low, and we had the impression of being “in the sky”, looking at the clouds from above.

Church's Hill

Church’s Hill

Leaving the Churchs’s Hill, we ride to the Mirante da Serra do Rio do Rastro (passing by Urubici again). The path is very nice, mostly with good asphalt and beautiful views, with lots of green and full of pines. Entering the SC-390, the asphalt became much worse, but nowhere near the “badness” of the Serpent’s Trail.

Day 3 (part 2)

Day 3 (part 2)

Arriving at the belvedere, the amazing view above the clouds impressed and disappointed at the same time, since it hid the famous curves and avoided us from enjoying the hilly landscape as we drove down the mountain.

We had a visit from some Coatis, which are walking free and peacefully in the place, looking for easy food.

SRR's Gazebo

SRR’s belvedere

Going down the mountain, we crossed the clouds that we had spotted from the belvedere. The humidity was high enough to wet the helmets. In the end, looking back to the point from which we came, there was nothing but heavy clouds.

SRR Coati

Coati

Westopped for gas and left to Curitiba. Surprise! Waze’s estimated more than 6 hours to arrive. And it was already 4:00 pm! We left to Curitiba, by the BR 101, with sawmill and rain, arriving at the Slaviero Hotel around 11:00 pm, cold and wet (when it started to rain, there were no gas stations or overpasses nearby, where we could stop to wear the raincoats)! But nothing is so bad that it can’t get any worse. Rubão took a “keel over” when leaving the bike and upon arriving at the front desk, we were told that reservations (made by booking.com) had not been registered by an employee of the hotel. In the end, after some hassles, we could enter the rooms. Needless to say, nobody was in physical condition to make the so planned visit to a rock’n’roll bar.

Bramac found out that he had lost the key of his Givi’s top case, containing all his clothes! The spare key was left in his home. The insurance does not want to send a locksmith, because the problem was in the top case, not with the bike itself. He called a 24/7 locksmith, who wasn’t able to open the lock! In the end, he had to dry his clothes and keep using them. I’m glad we were on the penultimate day.

In total, we drove almost 700 km that day! WTF!

Day 4

Day 4

Day four (the return)

Wake up the 7:00 am, we had coffee, and left to home. Fortunately, the return’s path wasn’t by the Serpent’s Trail, but rather by the BR-116 (Regis Bittencourt). About 20 miles out of Curitiba, we stopped at the famous Graciosa’s Road. Unfortunately, the weather was bad, with lots of mill, but that did not stop us to get down the mountain, which has much of its path made of cobblestones. The road is beautiful and picturesque, with lots of green and the Atlantic forest bordering the track continuously. There are several viewpoints where you can stop to admire the nature and eat/drink something.

Graciosa's portal

Graciosa’s portal

We return to the Regis’ highway and continue the way back. Upon arriving near to Cachimbo’s range, the highway had many works and hundreds of trucks. Near the Mário Cova’s road ring, there was an accident that just didn’t stop us completely because the bikes are narrow enough to pass between cars!

I got home the 8:00 pm, with the feeling of challenge fulfilled and the impression that it was not the last time that I visit that region.

Considerations and tips:

  • Avoid (really!) to go by the Serpent’s trail while the works are not finished, unless you are ready to face an “off-road” environment.
  • Don’t be fooled by the time it takes to make the trip legs! The average speed for the trip was 73 km/h, that is, you’re going to take a lot longer than if you had used a good highway.
  • The weather in the Serra do Rio do Rastro is unpredictable. It is good in one day and bad the next. If you have a flexible schedule, try to stay on the outskirts of the Sierra for more than a day, so if the weather is bad, there is still a chance to get it clean the next day. Checking the live cameras may help.
  • It’s absurd to charge tolls for motorcycles! The structure of the existing toll plazas was not made for that, and didn’t suffer any adjustment to facilitate the life of the biker. On the contrary! We are obliged to use the same cars and trucks cabins, which often has the pavement full of oil.
  • Do not entire rely on Waze, because, of course, at some point it will be offline for the lack of cellular network. Take a GPS offline application, as Here Maps, or even Google Maps, remembering to download the maps before.
  • Inns may be better than hotels, see the experience with the Woodpecker.
  • Despite having bikes for many, many years, this was the first truly long trip I did on two wheels. Even with all the obstacles, bad back, arm, cold, rain, etc., the feeling of freedom provided by the two wheels is unsurpassed.
MacGyver’s spirit

It’s in the difficult times that you became really creative, LOL. We took a heavy rain arriving in Curitiba, which wet the clothes and obviously the sneakers. So, what to do?

Bramac tried to use the microwave method, but it didn’t work (I told him it wasn’t going to happen, LOL). After that, he was more creative and used the lamps heat:

I filled the shoes with toilet paper, which pulled most of moisture during the night. Then I wrapped the hair dryer’s power cable around its power button, so it stay pressed, and left it blowing air for about 10 minutes, and it worked perfectly!

Drying the sneaker

Drying the sneaker

Visit www.motoencontros.com to know several points of interest in several regions of Brazil!

Photo Gallery

Saindo de Tatuí

Live long and prosper! Up the Irons!

1 2 3 79