FreeStyle Libre – o sensor pifou

E havia chegado a hora de colocar o quinto sensor, ou seja, mais de 2 meses usando o FreeStyle Libre sem qualquer problema!

A surpresa veio no dia seguinte… menos de 48 após a instalação do novo sensor, e já tendo feito várias leituras que aparentemente não apresentaram qualquer problema, passei o leitor para obter a glicemia e me deparei com uma mensagem que até então nunca tinha visto:

Sensor ruim

Sensor ruim

Por sorte, havia comprado mais de um sensor, então pude instalar um outro. No entanto, foi grande a apreensão de ter perdido quase R$ 250 devido a falha do sensor. Como a Lei de Murphy está sempre presente, o fato aconteceu num sábado, e o call center da Abbott não funciona nos finais de semana.

Na segunda-feira, liguei no 0800 e comuniquei o acontecido. Pediram o número serial do sensor e após alguns minutos, comunicaram que dentro de 48h uma empresa parceira iria entrar em contato por telefone, para agendar a substituição do sensor por um novo (sem custo). Pediram para que eu guardasse o sensor ruim na embalagem original (que felizmente ainda não tinha ido pro lixo), pois quando viessem entregar o novo, iriam recolher o defeituoso.

Passado mais de 48h e ainda sem receber a tal ligação, enviei um email para a Abbott cobrando uma posição. No dia seguinte, recebi a ligação que agendou a troca do sensor para a próxima segunda-feira. No entanto, para minha surpresa, na sexta-feira anterior a data agendada, apareceu uma pessoa aqui para fazer a troca do sensor (aparentemente o agendamento não tem muito efeito prático).

Enfim, felizmente a Abbott trocou o sensor defeituoso por um novo, sem cobrar nada por isso (o que é o mínimo esperado, diga-se de passagem). O fato serviu para aprender algumas coisas:

  • Sem mais nem menos, você pode se deparar com uma situação onde o sensor para de funcionar antes da hora.
  • É sempre bom ter um sensor reserva disponível. Se eu não tivesse, teria ficado 6 dias sem o monitoramento contínuo.
  • A Abbott poderia ter um 0800 funcionando 7 dias por semana, pois problemas não tem data para acontecer.
  • O processo da troca do sensor apresentou alguma demora, e a data agendada não foi respeitada (menos mal que adiantaram, mas dei sorte de ter gente em casa na hora que a pessoa apareceu).

Uma curiosidade: Todos os sensores que eu comprei até agora tem data de validade para o dia 31-Outubro-2016, ou seja, estão bem próximos de expirar. Me pergunto se o problema apresentado pode estar relacionado com essa proximidade da data de expiração.

Recebendo pagamentos do exterior

PayoneerQuando decidi lançar meu eBook Guia de Migração para o Firebird 3 em inglês, já prevendo oferecê-lo também em formato impresso através dos serviços de impressão sob demanda da CreateSpace, mal sabia os transtornos que viriam pela frete. Talvez o maior deles seja o fato que a CreateSpace só faz pagamentos através de cheques ou depósito bancários em bancos americanos.

Não preciso dizer que a opção “jurássica” de receber em cheque é quase que inviável no Brasil, visto que, além da demora (Correios), perde-se também muito dinheiro com as taxas cobradas pelos bancos e com a conversão de moeda. Abrir uma conta em um banco estrangeiro também é um processo burocrático e inviável para muitos.

A boa notícia é que existe um serviço chamado Payoneer, que facilita tremendamente receber pagamentos não só da CreateSpace, como de qualquer empresa internacional! O Payoneer é um cartão de crédito pré-pago, em USD. Ao se cadastrar na Payoneer e solicitar o cartão, você recebe também, automaticamente, uma conta corrente “virtual” em um banco americano (First Century Bank), com o serviço ACH (Automated Clearing House) habilitado. Isso possibilita que você receba pagamentos de praticamente qualquer empresa americana (ou estrangeira). Quando o dinheiro é depositado na sua conta virtual, ele automaticamente vai pro saldo do seu cartão Payoneer. O melhor é que você pode usar o cartão em qualquer estabelecimento que aceite Mastercard, inclusive para compras on-line em lojas do exterior (Amazon, Google, etc). Também dá pra sacar dinheiro em determinados caixas ATM em todo o mundo.

É óbvio que existem tarifas envolvidas em todo o processo. O próprio cartão tem um custo de anuidade de USD 30, além de ser cobrada uma pequena taxa a cada utilização. No entanto, pode ser uma boa opção para quem precisa receber pagamentos em dólar, e quer gastar esses dólares comprando em lojas virtuais americanas, ou mesmo em viagens para o exterior, visto que essas taxas serão menores do que os 6.38% de IOF que pagamos ao usar um cartão de crédito “brasileiro” para fazer compras em moeda estrangeira. Ainda não sei dizer se compensa usa-lo para sacar o dinheiro em Reais nos caixas eletrônicos no Brasil, pois vai depender da taxa de conversão adotada, e também da tarifa que a rede ATM irá cobrar.

Para os desenvolvedores de software, a Payoneer também aceita receber pagamentos diretamente de serviços como a PayPro, Digital River, etc.

Para quem ficou interessado, use esse link para se inscrever no Payoneer e receber USD 25 de crédito (tão logo acumule um saldo de USD 100 no cartão nos primeiros 12 meses após o cadastro – mais detalhes sobre as condições aqui). Com isso, quase que se zera a primeira anuidade.

Apps para o FreeStyle Libre

E lá se vão quase 2 meses usando o FreeStyle Libre! A facilidade de poder ler a glicose a qualquer momento, sem precisar picar o dedo, é um benefício que eu esperava há muito tempo. Mesmo as leituras não sendo totalmente compatíveis com as dos medidores tradicionais, o que mais me importa é mante-las dentro da zona desejada (no meu caso, definida entre 70 e 140 mg/dl).

O fato de poder sair de casa e não precisar levar glicosímetro, lancetador, lancetas, tirinhas de glicose, etc. é também uma libertação, especialmente para os homens, que não usam bolsas e, portanto, tem que “fazer milagre” pra acomodar tudo isso nos bolsos, ou então “alugar” a bolsa da esposa (que nem sempre o está acompanhando).

O melhor dos mundos seria não precisar levar nem mesmo o leitor do Libre! A boa notícia é que isso já é realidade, desde que você tenha um smartphone com NFC (Near Field Communication). O NFC está presente na maioria dos modelos de smartphones de categoria média e “top de linha”. Meu Galaxy S4, que já tem 3 anos, possui esse recurso (que por sinal, até pouco tempo atrás, nunca tinha sido usado). Hoje, muita vezes opto por deixar o leitor do Libre em casa e usar o smartphone pra ler a glicose.

No entanto, não basta apenas um smartphone com NFC. É necessário também um aplicativo instalado nele, que seja capaz de ler o sensor do Libre, interpretar as informações, e apresenta-las de forma amigável.

Existe um aplicativo oficial, homologado pela Abbott, chamado LibreLink. Infelizmente, ele ainda não está disponível para o Brasil. Entrei em contato com a Abbott, e o retorno que tive é que ele será disponibilizado por aqui, mas sem data prevista. Na base da “gambiarra”, consegui instalar o LibreLink no meu S4, mas ao tentar ler um sensor com o app, é exibida uma mensagem dizendo que o “sensor é incompatível” 🙁 Ou seja, teremos que aguardar sabe Deus quanto tempo para termos acesso ao app “oficial”. A vantagem de usar um app oficial é que temos a certeza de que ele foi testado pela Abbott e portanto, fornece informações seguras, usando provavelmente os mesmos algoritmos de correção/estatísticas existentes no leitor oficial.

Para quem tem pressa e não quer esperar pela liberação do LibreLink, já existem alternativas desenvolvidas por terceiros, que conseguem ler os sensores do Libre, e que podem ser usadas por nós, reles brasileiros! No entanto, esses apps de terceiros não são homologados pela Abbott, ou seja, eles apenas fazem a leitura do sensor e apresentam a informação, sem qualquer tipo de “inteligência” ou correção dos dados. Em outras palavras, a informação apresentada é a que foi lida diretamente do sensor e, portanto, pode divergir da informação apresentada pelo leitor oficial do Libre.

GLIMPGlimp Logo

O Glimp é um aplicativo bastante completo! Além de fazer a leitura dos dados do sensor do Libre, ele também permite que você entre com outros valores, por exemplo, carboidratos ingeridos, unidades de insulina aplicadas, calorias, medições realizadas com os glicosímetros tradicionais, etc. A coisa chega ao ponto de, ao reportar uma aplicação de insulina,  poder indicar inclusive em que região do corpo ela foi aplicada. Aliás, o app pode controlar o rodizio de regiões e também dos dedos, sugerindo a você qual dedo deve ser picado agora, ou qual local você deve injetar insulina. Como podemos observar, esse app pode ser utilizado até mesmo por diabéticos que não estejam usando o FreeStyle Libre!

Ele traz também uma calculadora de viagem, onde ao informar quantos dias ficará fora, faz uma estimativa de quanto de insulina, agulhas, etc. você precisará levar. Essas estimativas são baseadas nos dados coletados e inseridos no decorrer do uso do aplicativo.Glimp Grafico

O Glimp fornece inclusive lembretes importantes, por exemplo, quanto tempo resta para o sensor do Libre expirar, quanta insulina ainda resta nas suas canetas, etc. Obviamente, pra que algumas dessas informações sejam confiáveis, é necessário ter a disciplina de informar o aplicativo sempre que tomar uma dose de insulina, etc. Uma calculadora de calorias e carboidratos também está disponível.

Por último, o Glimp está integrado com o Dropbox, portanto, os logs podem ser compartilhados automaticamente entre vários dispositivos nos quais você tenha o Glimp e o Dropbox instalado (smartphones, tablets, etc).

Interessante também que o Glimp pode ser usado até mesmo para ler sensores expirados! Mas isso não é recomendado, pois a precisão de um sensor expirado já está comprometida.

LIAPPLiapp

O Liapp é um aplicativo muito mais simples do que o Glimp, mas as vezes a simplicidade é justamente o que procuramos! Se você quer apenas um aplicativo que leia o sensor do Libre e apresente o valor da glicemia, de forma simples e direta, sem gráficos complicados, etc. então o Liapp é para você!

Liapp GraficoVocê passa o smartphone sobre o sensor, ele coleta as medições das últimas 8 horas, e apresenta o valor da glicose naquele momento, e também um gráfico das últimas medições, ficando muito fácil de detectar a “tendência” da glicose. Há também um log com os valores das medições anteriores.

Posso então deixar o leitor do Libre de lado e usar apenas os aplicativos?

Bem, se o LibreLink estivesse liberado para o Brasil, eu diria: sim, com certeza! Afinal, ele tem o aval da Abbott. Mas, como não está, temos que usar os apps de terceiros, os quais não têm qualquer relação com a Abbott. Como ela não divulga publicamente o formato dos dados lidos nos sensores, os desenvolvedores desses aplicativos “não oficiais” tiveram que desvendar “na raça” esse formato, e nada garante que essa interpretação é 100% perfeita.

Particularmente falando, dependendo de onde vou e de cada situação, hoje me sinto confortável em as vezes não levar o leitor do Libre, e usar apenas o smartphone com o Liapp ou o Glimp para aferir a glicose.

Mas, na maioria das vezes, levo também o leitor oficial. Enfim, a escolha é sua, sendo importante entender os riscos.

Atenção!

Na página do Glimp existe um aviso de que alguns smartphones podem danificar o sensor do Libre:

Fique atento se o seu smartphone está nessa lista!

Pra encerrar, SEMPRE INICIALIZE UM NOVO SENSOR USANDO O LEITOR OFICIAL DO LIBRE E NÃO COM UM APP PARALELO!

Duas semanas com o FreeStyle Libre

Hoje completou as duas primeiras semanas usando o FreeStyle Libre. Se você não viu meu primeiro post sobre ele, recomendo que leia agora, e depois retorne para ler o restante desse post.

As primeiras impressões relatadas no primeiro post se mostraram acertadas e consistentes. Em suma, a precisão do Libre não é uma maravilha. Sempre há uma diferença entre a leitura do Libre e a de um medidor de glicose tradicional (que também não é preciso). Mas, a impressão que tenho é que essa diferença é maior quando a glicose está baixa.

O Libre parece ser bastante “conservador” em se tratando de mostrar que você já saiu da zona de perigo de hipoglicemia. Isso pode ser conferido nas imagens abaixo.

 

20160713_070547

Demora para detectar uma saída de hipoglicemia

Demora para detectar uma saída de hipoglicemia

Outra impressão que tive é que com o passar do tempo, a diferença entre o Libre e demais medidores aumenta cada vez mais. Talvez essa seja uma das razões para o sensor expirar em 14 dias, obrigando você a instalar um novo. Aparentemente, na minha experiência, a diferença começou a ficar mais gritante a partir do 11º dia de uso, ou seja, faltando 3 dias para o sensor expirar:

Diferença entre aparelhos

Diferença entre aparelhos

Diferença na leitura (sensor perto de expirar)

Diferença na leitura (sensor perto de expirar)

Note que essa questão das diferenças nas leituras é esperada, e por isso mesmo, a própria Abbott recomenda conferir com um medidor tradicional quando algo não parecer estar correto.

Após expirado o sensor, o leitor do Libre não permite mais fazer leituras:

Ao tentar ler um sensor expirado

Ao tentar ler um sensor expirado

No entanto, ainda é possível (apesar de não recomendável) ler o sensor usando aplicativos disponíveis na loja de aplicativos do Google (mais sobre eles em um próximo post). Sendo assim, fiquei por algumas horas com os dois sensores no corpo (um em cada braço) – o expirado, e o novo. A diferença nas medições foi bem grande, o que reforça a impressão de que quanto mais próximo de expirar, menos preciso ele fica:

Sensor expirado

Sensor expirado

Sensor novo

Sensor novo

Sensor novo x medidor tradiciona

Sensor novo x medidor tradicional

Mas então, qual a vantagem de usar o Libre, se não é possível confiar 100% nas suas medições? Simples! Quase tão importante quanto a precisão, é você poder acompanhar a curva/evolução da glicose no decorrer do dia. Com a experiência, você consegue determinar as tendências e agir pró-ativamente na correção, seja para mais ou para menos. No meu caso, a quantidade de “picadas” no dedo, depois de usar o libre, caiu de (no mínimo) 5 vezes por dia, para 2 ou 3 vezes por semana. Nem preciso dizer que meus dedos agradeceram bastante 🙂

Há muito para melhorar, e com certeza a Abbott está trabalhando para evoluir o produto. Mas na forma que está hoje, já traz muitos benefícios, desde que você saiba interpretar as leituras, tendências, e tenha consciência de que ainda será necessário “tirar a prova” com um medidor tradicional de vez em quando. Talvez por isso também o aparelho ainda não tenha sido aprovado pela FDA. Nos EUA, existe um movimento pressionando os fabricantes de medidores de glicose para diminuir a margem de erro dos aparelhos.

Abaixo, a título de curiosidade, segue a foto do sensor expirado (já removido), e de como ficou a pele no local onde ele estava instalado (a pele voltou ao normal depois de alguns minutos).

Sensor expirado

Sensor expirado, dá pra ver o filamento que fica inserido na pele.

Logo após remoção do sensor (após 14 dias)

Região do braço, logo após remoção do sensor (após 14 dias)

Meu próximo post será sobre os aplicativos “paralelos” disponíveis na Google Play. Infelizmente, o aplicativo oficial da Abbott, chamado LibreLink, não está disponível para o Brasil. Espero que seja liberado logo, pois seria muito prático levar apenas o smartphone comigo, sem necessidade de levar também o leitor do Libre.

FreeStyle Libre – avaliação (dia 1)

Depois de quase dois anos de espera, finalmente a Abbott lançou no Brasil o FreeStyle Libre, um medidor de glicose que promete aliviar os dedos dos diabéticos, permitindo a leitura da glicemia sem picadas.

Libre e sensores

Libre e sensores

O Libre foi lançado na Europa há cerca de 2 anos. Tamanho foi o sucesso que, chegou a faltar sensores para vender! O aparelho está sendo vendido apenas em alguns países e, finalmente, chegou a vez do Brasil! Curiosamente, o Libre ainda não é vendido nos EUA, provavelmente devido a falta da aprovação do FDA.

Pelo menos nesse primeiro momento, no Brasil, o Libre só está sendo vendido via internet, e apenas para quem se cadastra no site www.freestylelibre.com.br. As vendas estão acontecendo “por ordem de cadastro”, através de uma parceria da Abbott com a Drogaria Onofre, ou seja, os primeiros que se cadastraram são os primeiros a poderem comprar. Como devo ter sido um dos primeiros, fiz a compra e três dias depois recebi o aparelho.

O preço do Kit Inicial, que é composto pelo aparelho que faz a leitura (leitor) e mais dois sensores, sai por R$ 599,70 + FRETE. Nesse Kit, o leitor sai com um desconto de R$ 120 em relação se comprasse tudo separadamente. Cada sensor custa R$ 239,90 e precisa ser trocado a cada 14 dias. Não é necessário dizer que o custo já é um fator impeditivo para muita gente 🙁

Clique para expandir as imagens.

Libre - conteúdo do pacote

Libre – conteúdo do pacote

Libre - Conteúdo da caixa com o leitor

Libre – Conteúdo da caixa com o leitor

Como funciona

Para medir sua glicose, você precisa basicamente de duas coisas: o leitor e um sensor ativo. O sensor fica literalmente grudado na parte de trás do braço. Ele é inserido de forma muito fácil e praticamente indolor, através do aplicador descartável, que acompanha cada sensor. O sensor é invasivo, ou seja, apesar dele ficar grudado na pele, um pequeno “filamento” é inserido pelo aplicador, de forma subcutânea. Calma! Não se desespere! O processo de aplicação do sensor é muito simples, rápido e feito por você mesmo. Mal dá pra sentir a “picada” durante a aplicação. Quem tem pavor de agulha também pode ficar tranquilo, pois ela fica escondida no aplicador, e é impossível vê-la no momento da aplicação. O aplicador é realmente bastante engenhoso 🙂 Apesar do aplicador usar uma agulha, a agulha não fica no seu corpo!

O sensor tem o tamanho de uma moeda de  1 R$, e possui um forte adesivo para evitar que se mova, afinal, ele precisa ficar “grudado” por 14 dias. Você pode tomar banho, fazer academia, e até mesmo nadar com o sensor (o manual diz que resiste até 1m de profundidade, por 30 minutos).

Tenho que admitir que depois de colocado, você até esquece que ele está lá. Não atrapalha em nada o dia-a-dia.

Libre - Conteúdo da caixa com o sensor

Libre – Conteúdo da caixa com o sensor e aplicador

Não vou entrar em detalhes sobre o processo de aplicação do sensor, porque é realmente muito simples e facilmente compreendido no folheto de instruções rápidas que acompanha o produto. Basicamente, você alinha o sensor e o aplicador, encaixa um no outro, pressiona de forma que o sensor seja anexado ao aplicador, e depois pressiona o aplicador na região do braço que você quer colocar o sensor. Sem mistério! Se está curioso, tem alguns vídeos no Youtube que mostram como colocar o sensor. O site do Libre também tem um vídeo tutorial.

Sensor do Libre inserido

Sensor do Libre inserido

Colocado o sensor no braço, basta ligar o aparelho (leitor). No primeiro momento que ele é ligado, você poderá selecionar algumas opções de configuração, e também atualizar a data e a hora (o meu já estava tudo certo). Terá também que definir uma faixa de glicose que você considera como seu objetivo (ex: de 80 a 140), usada basicamente na apresentação dos gráficos e para estatísticas. Depois, terá que “ativar” o sensor, bastando escolher a opção de ativação, e aproximar o aparelho perto do sensor. Todas as configurações podem ser alteradas depois.

A partir daí, você deve aguardar uma hora, enquanto o sensor “se autocalibra”. Essa é uma diferença do Libre com outros medidores contínuos de glicose: não é necessário calibrar o sensor medindo a glicose em outro aparelho! Os sensores do Libre vem pré-calibrados de fábrica.

Passada a primeira hora, você já pode começar a medir sua glicose. A medição é muito fácil: passe o leitor próximo ao sensor (por cima da roupa mesmo) e pronto! O sensor faz uma leitura do nível de glicose automaticamente, a cada 15 minutos, e armazena até 8h de leituras nele mesmo, ou seja, você pode ficar até 8h sem passar o leitor no sensor, e não perderá qualquer informação. Quando passar o leitor, ele irá descarregar as leituras armazenadas no sensor para o aparelho, e apresentar a glicemia atual, bem como a variação das últimas horas, dias, etc. através de gráficos. Tudo muito fácil de entender.

Precisão

Mais importante do que a facilidade do uso, é a precisão do aparelho! Afinal, é baseado nas medições de glicose que tomamos as decisões sobre o quanto de insulina precisamos tomar, até mesmo para fazer uma correção.

Antes de continuarmos, é importante você saber algumas coisas:

  1. Nenhum medidor de glicose de uso pessoal é 100% preciso. Muito pelo contrário, a maioria dos medidores de glicose possuem uma margem de erro que pode chegar a 20% comparado a uma medição em laboratório. Sim, é isso mesmo! Você pode ler mais sobre o assunto e ver alguns testes de precisão nesse outro post do meu blog. Não preciso dizer que uma medição errada pode fazer com que se aplique uma dose incorreta de insulina, podendo levar à uma hipoglicemia. Infelizmente, o diabético ainda tem que se basear na sua própria experiência para tentar ajustar possíveis erros.
  2. Diferente dos medidores de glicose “tradicionais”, onde a medição é feita furando-se o dedo e obtendo o sangue dos capilares, o Libre faz a medição da glicose a nível intersticial. Isso já seria suficiente para dar diferença entre os dois tipos de medições. O aparelho usa algoritmos de correção para compatibilizar as leituras. Podemos dizer que a glicose medida intersticialmente tem um atraso em relação a glicose capilar de aproximadamente 5 minutos. Por isso, quando a glicose estiver variando rapidamente, vai demorar mais tempo para o Libre perceber essa variação.

Eu já havia lido em sites internacionais, que a precisão do Libre não é muito boa nas primeiras 24h após a ativação do sensor, e tende a melhorar com o tempo. Vejamos então como o Libre se comportou no meu primeiro dia de uso. Ativei o sensor logo após ter almoçado (13h) e fiz a primeira leitura às 14h.

Libre - primeira medição

Libre – primeira medição

Para minha surpresa, a primeira medição se mostrou bastante próxima do medidor de glicose “tradicional” (lembre-se da margem de erro dos leitores!).

No entanto, as medições seguintes mostraram que  a glicose estava caindo, até chegar a um ponto onde o Libre indicou “LO” na tela. Isso acontece quando a glicose está abaixo de 40 (na medição do Libre, obviamente). O medidor tradicional acusava 56, ou seja, considerando a margem de erro, as leituras provavelmente ainda estavam compatíveis).

Libre - glicose baixa

Libre – glicose baixa (15h41)

Tomada as devidas providências para aumentar a glicose no sangue, também conhecida como “comer um pouco de açucar e/ou chocolate e/ou suco de laranja”, fui acompanhando com novas medições, e pude constatar que enquanto o medidor tradicional já apontava uma leitura fora de perigo (97), o Libre ainda mostrava “LO”. Ou seja, aparentemente, o Libre demora muito mais tempo para detectar a normalização da glicose. A medição abaixo foi feita uma hora após ter ingerido açúcar para corrigir a hipoglicemia.

Libre - ainda pensa que a glicose está baixa

Libre – ainda pensa que a glicose está baixa (16h53)

Com o passar do tempo, o Libre começou a “normalizar”, mas ainda mostrando uma diferença razoável em relação ao medidor tradicional:

Libre - medição de glicose

Libre – medição de glicose (18h05)

Horas depois, as leituras voltaram a ficar compatíveis.

Ou seja, pelo menos nesse primeiro dia, ficou claro que não será possível abolir completamente o medidor tradicional (e a Abbott deixa isso bem claro no seu manual). No caso de leituras muito baixas ou muito altas, teremos que recorrer ao medidor tradicional para “confirmar”.

Espero que passado o primeiro dia, o sensor já esteja mais “calibrado” de forma a minimizar essas diferenças. Vamos ver…

Conclusão do primeiro dia

Apesar da diferença nas leituras e do “atraso” na atualização das taxas, no caso da hipoglicemia, eu avalio esse primeiro dia como uma experiência bastante positiva. É muito bom medir a glicemia sempre que quiser, sem precisar ficar se espetando.

Também ajuda muito acompanhar a curva da glicêmica durante as horas, o que facilita também a entender como determinados alimentos, bebidas, exercícios, etc. agem no seu organismo.

Em alguns dias, farei um novo post, atualizando minha experiência com o Libre!

Fiquem de olho no blog.

Diabetes e eu

Sou diabético desde os 16 anos (estou com 43), ou seja, já vivo há mais tempo com diabetes do que sem ela. Depois de descobrir a doença e passada a fase da “lua de mel”, posterior “negação”, tratamentos alternativos, passei por trocentos endocrinologistas da minha cidade até chegar à conclusão que a melhor forma de me manter saudável era eu mesmo entender a doença pra saber como responder à ela. Li (e continuo lendo) muito sobre o assunto. O acompanhamento médico é importante, mas ele não vai estar 24h por dia ao seu lado, então mais importante ainda é saber como viver com a doença, como reagir as diferentes situações que ela vai lhe causar, como entender a glicemia, a insulina e como seu corpo responde à ela, a influência de atividade física, etc.

Dizer que um diabético pode ter uma vida normal é obviamente uma mentira. Mas podemos sim ter uma vida de qualidade, ainda mais nos tempos de hoje, com insulinas de ação ultra-rápida e as novidades tecnológicas para nos auxiliar.

O diabético vive uma batalha diária, com preocupações que pessoas normais não tem e, portanto, também não compreendem. Achar que sua taxa de glicose estará sempre normal é uma utopia. Ela vai variar constantemente, por “n” motivos que muitas vezes são óbvios, mas que muitas vezes só podem ser explicados pela “conjunção dos astros” ou talvez pelo Dr. House (pena que ele não existe de verdade).

Procuro manter a glicose dentro da faixa de 80 a 140, porque quero estar “inteiro” para aproveitar uma cura quando ela surgir. E acredite, estamos cada vez mais perto disso (mais sobre o assunto em um próximo post).

Manter a glicemia próxima da normal significa que as chances de ter hipoglicemia aumentam proporcionalmente, portanto, é essencial o monitoramento da glicose. Uma unidade a mais de insulina que se tome além do “necessário”, pode fazer a diferença entre uma glicose normal (80) e uma hipoglicemia (40). O X da questão é justamente saber a dose necessária, e aí só com a ajuda da experiência mesmo.

Leia meu segundo post: Duas semanas com o FreeStyle Libre.

Alíquotas padrão (internas) de ICMS 2016

O ano de 2.016 já começa com uma dose a mais de dor de cabeça para os programadores, devido a falta de sensibilidade e incompetência do governo no que diz respeito a datas, prazos e complexidade de alterações das leis que eles mesmos criam (sim, estou falando das mudanças do ICMS em operações interestaduais).

Vale lembrar que alguns estados aproveitaram para alterar suas alíquotas internas de ICMS (ex: AP, AM, RS, etc).

Neste link do Cenofisco, podemos encontrar as novas alíquotas vigentes em 2.016.

1 2 3 78