Motocada para a Chapada dos Veadeiros

Até algum tempo atrás, não me imaginaria fazendo uma viagem tão longa se não fosse de avião… de moto então, nem pensar! Coisa de louco! Afinal, em apenas um dia, viajaríamos cerca de 1.150km! Mas, quando tem pelo menos mais um louco disposto a cometer a loucura, porque não tentar?

E foi isso que fizemos! Uma viagem de 4 dias, que no total deu 2.600km, dos quais 1.150km foram percorridos em um único dia!

O local escolhido foi a Chapada dos Veadeiros, em Goiás. No meio do cerrado, a região conta com inúmeras cachoeiras com águas cristalinas, graças ao leito rochoso dos rios.

ChapadaCom a ajuda do amigo Bressan, que conhece a rota e definiu os postos de parada a cada 200km para abastecer, partimos saindo de Piracicaba/Paulínia-SP as 6h30am, e alcançando o destino final (Alto Paraíso de Goiás) as 21h30! Diferente da viagem anterior para a Serra do Rio do Rastro, essa contou com praticamente 100% de asfalto bom, e uns 80% das vias duplicadas. A paisagem até Brasília não é bonita, sendo muitos trechos “cheios de nada”, e alguns outros sofrendo com as queimadas. Depois de Brasília, a coisa fica mais interessante, com a vista das montanhas no horizonte, coisa que pudemos apreciar apenas na volta, visto que na ida passamos por lá a noite.

Cachoeira dos CourosFicaríamos apenas dois dias na região, portanto não havia tempo a perder! Após nos informar com os locais, definimos que a primeira cachoeira a ser visitada seria a dos Couros. É um conjunto de 3 quedas, formadas pelo Rio dos Couros, com diversos poços para nadar, e água cristalina. A surpresa ficou pelo fato de que, para chegar lá, pega-se 22km de terra vermelha (ou seria melhor dizer “talco” vermelho?!), com alguns trechos esburacados ao extremo, que rendeu a primeira queda da viagem (felizmente nada aconteceu com a moto, nem com o Bramac). Após passar por todas as cachoeiras, não poderíamos ir embora sem dar uns pulos naquela água cristalina e gelada!!! Restaurante Dna. EleusaSaímos de lá pra almoçar no restaurante da Dna. Eleusa, situado há uns 7km do estacionamento da cachoeira, no meio do nada! Já tínhamos encomendado o rango , então foi só chegar e bater a bóia. Voltamos pra Alto Paraíso, em direção a Cachoeira das Elmécegas, uma das poucas que fica relativamente perto da cidade.

Cachoeira Elmécegas 1A caminho da Elmécegas 1Chegando na entrada da fazendo, percebi que o guidão da moto estava meio solto. Um dos parafusos do raiser acabou afrouxando com tanta vibração causada pelas milhares de “costelas” do trajeto off-road anterior. Voltamos para a pousada, apertamos tudo, e partimos para a Elmécegas novamente. Como já era meio tarde, decidimos ir apenas na Elmécegas 1 (são duas no total), pois todos disseram que era a mais bonita. E realmente o lugar é muito bonito! Um paredão com vários níveis, formando diversas quedas e um grande poço para nadar. Água gelada, obviamente, mas quem tá ligando?! Para chegar nela, há uma trilha que deve ser percorrida a pé, com muita subida pra judiar das pernas.

Voltamos para a cidade pra jantar na Vendinha 1961 (fica a dica), e conversando com o pessoal, decidimos que no dia seguinte iriamos para a Cachoeira da Santa Bárbara. Detalhe: fica em outra cidade, Cavalcante, a cerca de 120km de Alto Paraíso, sendo que 30km são de terra!

E lá fomos nós novamente, botar nosso espírito de aventura a prova, em mais 30km de muita poeira, costelas e… tombos!

Cachoeira Santa BárbaraCachoeira Santa BárbaraA cachoeira da Santa Bárbara é famosa pela cor da água! E realmente, é um azul cinematográfico! Para chegar lá precisa pagar pra entrar (R$ 20) e é obrigatório contratar um guia (R$ 70, valor que você pode dividir com quem estiver junto). Desse ponto até o estacionamento (que nada mais é do que um descampado onde você deixa os carros e motos) são cerca de 1.5km, e depois mais uma pernada a pé até chegar na cachoeira propriamente dita. Independente de qualquer coisa, ir pra região e não ir nessa cachoeira é a mesma coisa que ir pro Rio de Janeiro e não ir no Pão de Açúcar. PS: A função do guia é basicamente não deixar você ficar mais que uma hora no local.

Cantu e BramacDepois de quase uma hora contemplando a beleza do lugar, voltamos pro estacionamento com a ideia de ir em outra cachoeira próxima (Capivara), mas foi aí que a “zica” maior aconteceu: tomei um tombo ao passar num banco de areia, que acabou danificando as carenagens da moto, riscou o tanque, além de quebrar o espelho e a seta esquerda. Fiquei um pouco ralado, e com as costelas bastante doloridas (felizmente não quebrei nada). Alguns metros pra frente, foi a vez do Bramac cair, também num banco de areia, mas felizmente os protetores da moto impediram qualquer dano. Decidimos voltar pra Alto Paraíso, pra dar uma ducha nas motos, pois ainda seguiríamos até Brasília, onde iríamos pernoitar pra que no dia seguinte voltássemos pra casa. Felizmente, em cima da moto, e com a ajuda dos “DorFlex” da vida, foi tudo de boa.

O último dia da viagem, assim como o primeiro, foi gasto basicamente em cima da moto. Fiz um “Macgyver” na seta quebrada, e deixei ela funcionando. O espelhinho fez falta, mas tinha o do outro lado pra usar.

Chegamos em casa no final da tarde, sãos e salvos, e com mais histórias pra contar.

Segue algumas dicas pra quem quiser se aventurar naquela região:

  • Prepara-se para comer muita poeira, pegar muita terra e, possivelmente, tomar uns tombos. Não se atreva a ir de Custom ou qualquer moto que não tenha o mínimo de “pegada off-road”.
  • A região é repleta de cachoeiras, mas elas ficam longe uma das outras, portanto, você terá que andar bastante (de carro/moto, e a pé). É quase impossível conhecer mais que duas cachoeiras por dia, devido a distância entre elas!
  • As estradas (asfaltadas) estão boas e praticamente não tem radares (salvo nos trechos urbanos, como em Brasília, que desafia sua paciência com dezenas de radares de 60/40 km/h)!
  • Lembre-se de levar um “Kit MacGyver”, com chaves, canivete, fita isolante, etc. pois é quase certo que em algum momento você irá usar alguma dessas coisas.
  • Se sua moto não tem protetor de motor/carenagem, sugiro que instale um antes de ir, pois é quase certo que em algum momento você irá tombar (aprendi a lição, e já comprei o meu).

 

Você pode visualizar os pontos pelos quais passamos, além de muitos outros pontos de interesse para motociclistas, no site www.motoencontros.com