Iron Maiden – Show de SP

Maiden SP Março 2008Como fã incondicional do Maiden, e tendo perdido o Rock’in’Rio I em 1985, esta era talvez minha última chance de conferir os maiores clássicos da banda, gravados em sua melhor fase, entre os álbuns “The number of the beast” e “Seventh son of a seventh son“.

Fomos em quatro para São Paulo, deixando o carro estacionado no terminal Barra Funda e descendo a pé (junto com centenas de pessoas) para o Parque Antártica (cerca de 1km). Deixando o terminal, uma grata surpresa, ao ver a presença de informantes explicando ao pessoal como chegar no estádio, ou seja, tiveram a preocupação de colocar gente para guiar o pessoal que veio de todas as partes do país.

Chegamos ao estádio as 17h. Já não havia fila para entrar, e passamos por uma revista “cadelíssima” feita pelos PMs. Nesta hora, boa parte da arquibancada já estava cheia. Felizmente, conseguimos pegar um lugar onde pudemos avistar praticamente todo o palco. O tempo estava bom, com o sol forte, e o negócio era esperar as 19h até o show de abertura. O bom é que a arquibancada sempre agita alguma coisa pra passar o tempo, seja os gritos de Maiden-Maiden ou a famosa “Ola” indo e vindo de uma ponta até a outra, é sempre divertido ficar no meio de pessoas que estão ali pelo mesmo propósito.

O tempo passou rápido, e exatamente as 19h, a banda de abertura, liderada por Lauren Harris (filha do baixista do Maiden, Steve Harris), entrou em palco. Infelizmente, a menina até tentou, mas colocar uma banda de estilo “pop-rock” (a-lá Avril Lavigne), para abrir um show de Heavy Metal é cagada (lembra do Carlinhos Brown tomando latinha na cabeça há alguns anos atrás, quando colocaram ele pra tocar antes do Sepultura?!). O fato é que as músicas não empolgaram muito o pessoal (o que já era esperado), e só não voou latinha porque ela era filha “do homem”, então o pessoal respeitou. Mas ouvir a voz adolescente/estridente gritando “put your fucking hands in the air” era hilário, pra não dizer trágico!

Felizmente o show de abertura durou apenas 30min, e em meia hora teríamos o Maiden no palco! Aí é que a coisa ficou preta… o tempo, até então ensolarado, fechou, e faltando 10 minutos para o início do show, caiu uma bela de uma água sobre nossas cabeças! O toró durou cerca de 15 minutos, mas foi o suficiente pra deixar todo mundo ensopado! Mas, como dizem, “quem está na chuva é pra se molhar”, e não foi isso que tirou o ânimo do pessoal!

Adrian SmithCerca de 20h10, o Maiden entrou no palco, já de cara com um dos seus maiores clássicos: Aces High! O set list do show foi o mesmo que vem sendo apresentado durante essa turnê. Bruce falou bastante com o público entre as músicas. Percebia-se claramente que ele está muito feliz de ver o estádio lotado, e por mais clichê que seja fazer elogios ao país onde está se apresentado, ficou claro que o Brasil é muito especial para o Maiden. Os caras realmente gostam de tocar aqui. O maior público da banda continua sendo o do Rock’in’Rio I, entre 300 e 350 mil pessoas!

A qualidade do som estava muito boa, creio que a melhor de todos os shows que já assisti em estádios. Nas primeiras 4 músicas ainda tinha alguns deslizes… as vezes parecia que o microfone falhava. O palco molhado, por causa da chuva, também estorvou um pouco, mas nada que seja digno de nota.